Líder em alto padrão, Axis 21 parte para construção de casas em Curitiba

Líder em alto padrão, Axis 21 parte para construção de casas em Curitiba

Referência no mercado imobiliário em Curitiba, a Axis 21 Imóveis inicia os planos de construção de casas em condomínios. A empresa aproveita o aquecimento do setor, que teve alta procura dos clientes por residências mais amplas e com mais conforto durante a pandemia da Covid-19.

Já foram adquiridos terrenos em bairros nobres como Santa Felicidade e Campo Comprido, na capital paranaense, para os primeiros projetos. A ideia é atender, na medida exata, as necessidades de quem quer uma moradia confortável e funcional para o chamado “novo normal” das grandes cidades. 


Os diretores da empresa apostam em um movimento cada vez maior de compra desses imóveis nos próximos anos. “O mercado está muito aquecido, com alta demanda e a faixa de alto padrão é de grande domínio da Axis 21. Vamos usar a expertise da imobiliária para atender o alto nível de exigência do consumidor curitibano”, explica Milton Ribeiro. 


Izabel Martins Campos explica o interesse cada vez maior dos clientes na procura por residências em condomínios fechados. “As famílias passam mais tempo em casa, trabalhando, estudando. A maioria das pessoas percebeu a falta de quartos a mais, um escritório, uma área aberta privativa para tomar um sol, por exemplo”. 

Tags, , , , ,

Imóveis-SC amplia atuação e lança o Imohub, marketplace com financiamento imobiliário multibanco

A plataforma une as três frentes da companhia – o próprio Imohub, a Generativa, startup de big data e inteligência artificial, e o Imóveis-SC – com um novo modelo de rentabilização que prioriza a jornada de compra e experiência do consumidor enquanto atua como uma ferramenta de digitalização para o corretor

O lançamento de um novo modelo de atuação que democratiza o mercado imobiliário e traz em um único local todas as etapas, da escolha ao financiamento do imóvel, marca a nova fase do Imóveis-SC, agora sob o guarda-chuva do Imohub. Lançado durante o FastBuilt Experience 2022, um dos maiores eventos do país sobre inovação na construção civil, o marketplace nasce com uma proposta exclusiva no mercado: une a facilidade de anúncio e busca de imóveis já conhecida no Imóveis-SC, com ferramentas de inteligência artificial e dados do segmento para o corretor, com a startup Generativa, e a resolução dos serviços em toda a esteira de atendimento, incluindo o financiamento imobiliário. Todas as etapas ocorrem online, dentro do marketplace, que surge como um hub que conecta serviços imobiliários, com os principais bancos e facilita a jornada de compra do cliente – simplificada e digital.

O Imohub, de acordo com o diretor da companhia, Alessandro Stüpp, reforça o posicionamento que o Imóveis-SC sempre teve de ser um apoiador e não um substituto do corretor imobiliário. “Os anúncios do marketplace serão exclusivos aos corretores, que poderão conectar seus CRMs à plataforma e não terão qualquer custo para utilizar o Imohub. Esse produto também chega com um novo modelo de rentabilização, em que a empresa ganha sobre as transações financeiras e de serviços. Ou seja: o corretor não paga nada e tem apoio principalmente em uma etapa que é uma dor no segmento, a do financiamento bancário”, diz.

Parceria com mercado financeiro e agilidade no processo burocrático

Plugado aos principais bancos e cooperativas de crédito, o Imohub permite a consulta de propostas de financiamento para o imóvel escolhido pelo cliente. E cuida também de todas as etapas burocráticas neste processo. “Temos analistas financeiros que apoiarão na análise e agilidade na liberação do crédito, realizando inclusive os trâmites necessários em cartórios, por exemplo. Com o Imohub, o cliente tem a liberdade de escolher o imóvel, o apoio do corretor para conhecê-lo e escolher o que mais se encaixa na sua necessidade, e o nosso apoio para solicitar e receber o crédito, bem como assinar a documentação”, reforça o executivo.

Outro fator de destaque para o corretor, além da gratuidade da ferramenta, é que através da startup Generativa o profissional tem acesso a um dashboard com informações relevantes sobre a movimentação do mercado imobiliário regional, o perfil do consumo e informações relevantes como as relacionadas ao plano diretor municipal.

“Nosso foco é na jornada do cliente, em que conectamos cada vez mais serviços que facilitam a sua busca e desburocratizam a compra do imóvel. Usamos toda a nossa expertise de mercado para conectar as áreas mais sensíveis e construir um produto que não é apenas digital, mas resolutivo, ágil em todos os sentidos, dando a ambas as pontas a estrutura necessária para uma jornada de compra eficiente. O corretor é nosso parceiro para agilizar e se destacar dentro do universo digital e nós unimos as duas pontas com serviços simples e ágeis”, finaliza Alessandro.

Já estão disponíveis no Imohub de linhas de crédito para financiamento ou com garantia de imóvel, com companhias como Itaú, Caixa Econômica Federal, Santander, Creditas e Cashme.

Vedacit Labs anuncia participantes do 6ª ciclo do programa de aceleração

Construtechs e proptechs de todo o país participaram do processo seletivo

O maior Programa de Inovação Aberta no mercado da construção civil, Vedacit Labs, acaba de anunciar as 4 construtechs participantes da sua 6ª edição. A iniciativa, que desde 2018 já acelerou 20 startups, conecta essas novas soluções a grandes clientes do setor. Tudo por meio da gestão da Trutec, ecossistema referência em inovação na indústria da construção civil.

Os critérios de avaliação durante o processo seletivo deste ciclo foram impacto no setor da construção, potencial de mercado, potencial de conexão com as outras startups do portfólio, tecnologia utilizada, maturidade do plano de negócios e perfil dos empreendedores. 

Conheça as startups selecionadas:

  • Fastbuilt – Plataforma especializada em gestão do pós-obra que oferece às construtoras o gerenciamento dinâmico dos empreendimentos com acesso ao histórico completo de todos os registros, com imagens e documentos, além de disponibilizar o Manual Digital do Proprietário e do Condomínio com materiais utilizados, fornecedores e garantias. A tecnologia também possibilita a gestão de chamados de assistência técnica, melhorando a gestão e redução de custos com manutenções, e consequentemente a satisfação e o relacionamento com clientes.

  • Vistora – A primeira startup brasileira a digitalizar a forma como são feitas as vistorias de áreas comuns e privativas em empreendimentos da construção civil. A solução utiliza cruzamentos de dados e seleção de anomalias, entregando maior facilidade e assertividade nas vistorias guiadas, enquanto gera relatórios que quantificam eficiências de equipes de instalação das empresas parceiras.

  • Almox Tech – Através de uma aplicação web ou mobile, a solução possibilita a gestão do controle de estoques incluindo funcionalidades como alertas e inventário em tempo real que considera movimentações e níveis de segurança. Prezando pela interface intuitiva e simples, o serviço de gestão 4.0 propõe a melhor usabilidade mesmo nos cenários mais complexos de obra.

  • Muv Rental – Marketplace para contratação de máquinas e equipamentos da construção civil, auxilia também no dimensionamento e gestão da operação, com apoio de Inteligência Artificial, geolocalização, IoT e Big Data.

Durante o Vedacit Labs, as startups aceleradas recebem incentivo da Trutec para aplicação dos projetos-pilotos em beta-testers (empresas de referência no mercado e parceiras do programa) e mentorias com executivos de alta liderança especialistas em diversas áreas de negócio, com o objetivo de orientar, instruir, educar e potencializar o crescimento das participantes. 

Além disso, as soluções trocam aprendizados com as construtechs do ecossistema, ganham a chance de ampliar sua rede de contatos, consequentemente expandindo a oportunidades de novos negócios com grandes construtoras, incorporadoras e outros diversos potenciais parceiros. Ao término da participação, as empresas poderão ser convidadas para uma rodada de investimentos e ingresso no portfólio de soluções da Trutec.

Victor Gimenez, gestor de aceleração do Vedacit Labs, comenta sobre o trabalho que vem sendo feito com as construtechs. “O principal objetivo do Vedacit Labs é a conexão entre tecnologias e a construção civil. A cada ciclo, vemos uma quantidade incrível de novas soluções surgindo para solucionar dores reais do mercado”, afirma. 

“Sem dúvidas, juntos estamos levando a construção civil para o próximo nível. Trabalhamos para transpor, cada vez mais, as barreiras que ainda possam existir para que a tecnologia exerça, de fato, seu papel transformador em muitos setores”, complementa Alexandre Quinze, CEO da Trutec. 

Atualmente, o ecossistema Trutec conta com seis soluções que atendem diferentes etapas do ciclo de vida de uma obra e também do varejo. Dentre elas, cinco já passaram pelo programa de aceleração Vedacit Labs e entraram no portfólio: ConstruCode, Construflow, Construct IN, James Tip e Hoff Analytics. 

Incorporadora VitaUrbana entrega Nurban Pinheiros

Primeiro empreendimento com a assinatura Nurban conta com 103 apartamentos compactos – todos já vendidos -, áreas compartilhadas para convivência; preços acessíveis e características que atraem o público jovem, focado na praticidade e conveniência

Incorporadora que desenvolve projetos de apartamentos compactos e diferenciados nos mais desejados bairros de São Paulo, a VitaUrbana inaugurou, no último dia 22 de setembro, o primeiro empreendimento da linha Nurban, em Pinheiros, cujas unidades já foram todas comercializadas.
 

Localizado à rua Alves Guimarães, próximo de vários modais de transporte e de grande oferta de serviços e lazer, o Nurban Pinheiros traduz a proposta da VitaUrbana de desenvolver imóveis voltados ao público jovem e adulto com estilo de vida dinâmico, que deseja comprar o primeiro imóvel.
 

O Nurban Pinheiros conta com 103 apartamentos compactos, com área entre 24 m² até 49 m², complementados pela oferta de espaços compartilhados inteligentes, que incluem coworking, academia, lavanderia, espaço gourmet, rooftop com churrasqueira, bicicletário e pet place.
 

O empreendimento tem uma estética moderna, expressa nas cores e formas, e em seu projeto descolado e alegre, que contrasta com o estilo corporativo mais sisudo dos prédios da região. Esse conceito ganhou ainda mais força com a instalação de um mural do reconhecido artista do grafite Apolo Torres, instalado na fachada do empreendimento.
 

“Os estúdios foram projetados para atender pessoas com estilos de vida agitado e dinâmico, que buscam leveza e praticidade no dia a dia, valorizam a convivência e a conexão, mas também focam no custo-benefício, para que seja uma escolha inteligente”, afirma Juan Galan, sócio da VitaUrbana.


Ele observa que os imóveis se destinam tanto à própria moradia quanto a investidores. E a alta valorização dos imóveis na região de Pinheiros é um dos atrativos para ambos os públicos. Segundo levantamento realizado pela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) para o ZAP+, o bairro está entre os 10 metros quadrados mais caros do Brasil, atrás apenas de três bairros no Rio de Janeiro (Leblon, Ipanema e Lagoa) e do Itaim Bibi, em São Paulo. Segundo o levantamento, o preço do metro quadrado em Pinheiros situa-se em R$ 14,82 mil, ao passo que o preço de lançamento do empreendimento da VitaUrbana foi até 15% inferior ao valor praticado pelo mercado.


“Viabilizamos um empreendimento acessível a um público ávido por morar em Pinheiros e que antes não encontrava com facilidade uma opção como o nosso empreendimento, que conjuga acesso fácil ao metrô, áreas comuns generosas, espaços compartilhados, que geram redução de despesas, e um layout funcional e prático”.


A incorporadora tem conseguido custos abaixo da média de mercado por metro quadrado em função da inteligência aplicada ao negócio. “A forma como os projetos são desenhados e os terrenos são aproveitados nos permitem oferecer uma equação super competitiva”, observa Galan. Ele observa que o Nurban Pinheiros foi erguido em um terreno de 689 m², e seu bom aproveitamento é resultado de uma equação que compreendeu uma avaliação adequada do zoneamento, para se definir o melhor projeto de incorporação, e a aplicação de soluções inteligentes no planejamento das áreas e na execução das obras. Galan cita ainda o baixo custo do condomínio — estimado em valor abaixo de R$ 300 ao mês — como um exemplo do resultado dessa busca por eficiência em todas as etapas do planejamento da incorporação.


O segredo para entregar um projeto atraente, a custos competitivos, deve-se ainda a fatores como a aquisição de terrenos de tamanhos médios, a realização de boas parcerias com proprietários de terrenos e investidores, com soluções de curto, médio ou longo prazo; uma operação enxuta, suportada por tecnologia e com escopo de terceirização bem planejado; ao baixíssimo índice de inadimplência e distrato, e à construção econômica, eficiente e rápida, idealmente sem subsolos e realizada em alvenaria estrutural. “São diversos aspectos que se somam para tornar a nossa operação bastante eficiente e competitiva”, destaca Galan.


“Nossos empreendimentos têm conquistado grande aceitação no mercado, e reconhecimento inclusive da parte de arquitetos, por suas características, que diferem de grande parte dos apartamentos compactos disponíveis hoje no mercado”, conta André Kovari, um dos sócios da VitaUrbana. “São apartamentos com boa distribuição do espaço e que privilegiam a funcionalidade. São diferenciados em relação à maior parte dos imóveis compactos, a fim de garantir o prazer de viver.”

Fraudes em condomínios podem ser evitadas pelo programa de compliance

Na última semana, um síndico foi denunciado pelos moradores de um condomínio no Rio Grande do Sul (RS) por montar um serviço clandestino de fornecimento de água. O síndico criou uma empresa no nome da esposa, a qual ele administrava, e cobrava uma taxa para o fornecimento clandestino de água de poços artesianos.

Para evitar que condôminos e moradores passem por situações como essa, um programa de compliance e as auditorias em condomínios residenciais podem oferecer mais segurança e prevenir casos como o ocorrido em Farroupilha. Ou seja, é uma alternativa para otimizar o dia a dia do síndico e seguir, não só as regras dos condomínios, mas também as leis. 

Segundo Cláudio Marson, head de consultoria empresarial e auditoria no Grupo IAUDIT – empresa especializada em tecnologia, auditoria e consultoria empresarial com mais de 20 anos no mercado – , fraudes como essas podem causar grandes prejuízos para os condomínios. 

“Ao realizar uma auditoria preventiva mensalmente, seria possível detectar e sinalizar ao corpo de conselheiros o problema em vigência. Além da auditoria preventiva conseguir detectar o problema, o ideal é que os condomínios possuam uma assessoria no que diz respeito à compliance e implementação de boas práticas, de modo a evitar que fatos como este possam acontecer”, explica o especialista.

Um programa de compliance é estruturado com um canal de denúncias, background check – checagem de antecedentes de colaboradores e prestadores de serviços – e auditorias preventivas. Sendo assim, é uma forma de garantir que os condomínios estejam em conformidade com as leis e prevenindo que fraudes aconteçam.

Além disso, dar mais autonomia para conselhos e comitês de condôminos é essencial para a convivência e o bom funcionamento de qualquer empreendimento. Porém, também existem desafios na hora de implementar o compliance em condomínios residenciais. 

Quais os desafios o compliance enfrenta em condomínios?

Inicialmente, de acordo com Cláudio Marson, nem todos os condomínios realizam a auditoria preventiva/mensal, como deveria acontecer. Como o próprio nome já diz, a auditoria preventiva serve para prevenir que erros ou até mesmo crimes, intencionais ou não, sejam levados adiante mês a mês, às vezes até durante anos. 

“O principal desafio é convencer um grupo de moradores, que muitas vezes pensam diferente e possuem prioridades diferentes, rumo ao entendimento de que quando implementamos um programa de compliance, além da conformidade com as leis, estamos também auxiliando a reduzir custos e aumentando as receitas do condomínio. Por consequência, gerando uma melhora significativa no caixa e na estrutura e serviços do condomínio”, comenta Marson.

Existem algumas etapas que podem ser seguidas para adotar boas práticas em condomínios residenciais, a primeira, por exemplo, é a aprovação integral ou parcial de um programa de compliance na assembleia condominial. 

Logo após isso, uma equipe de especialistas inicia o processo de estudo das pastas e, em uma segunda etapa, inicia o processo de planejamento para implantação do serviço contratado, seja ele um programa de compliance completo, ou somente o canal de denúncias, auditoria preventiva ou a checagem de antecedentes. Dessas etapas, o canal de denúncias é essencial

“Com certeza, o canal de denúncias é um dos pilares de um programa de compliance, além de ser uma forma de passar mais confiança para que os moradores e terceiros possam denunciar qualquer irregularidade de forma anônima ou não. O serviço possui a opção de anonimato nos relatos”, exemplifica o especialista. 

No entanto, a auditoria preventiva é a melhor opção para se antecipar a qualquer desvio de conduta ou problema que venha a acontecer, segundo Marson. Com as auditorias sendo feitas mês a mês, é mais difícil que algum problema aconteça em relação a fraudes ou desvios de conduta e, em caso de acontecer, esta auditoria detecta muito mais rápido do que uma auditoria anual. 

“Com a auditoria sendo feita mensalmente e um programa de compliance, é possível prevenir fraudes, desvios de conduta e ética, abusos, importunação dentro do condomínio, roubos, assédios, entre outras situações”, finaliza ele.

Balneário Camboriú vai receber empreendimento com marca da Housi

A cidade catarinense de Balneário Camboriú será a próxima a ter à disposição o primeiro empreendimento com a marca da Housi, startup que oferece moradia sob demanda para moradores que desejam um aluguel flexível e 100% online. A startup fechou uma parceria com a NF Empreendimentos Ltda, para lançar na segunda quinzena de setembro o NF Moov, com 68 unidades residenciais, localizado no bairro das Nações, precisamente na Rua Islândia, O local possui excelente localização, perfil jovem para investidores, moderno e com uma gama enorme de serviços e comércio próximo ao empreendimento.

O NF Moov fica localizado no charmoso balneário, que ganhou o título de Dubai brasileira. Muitas pessoas, a procura de um local para sair da rotina e encontrar um lugar especial e aconchegante, com belas paisagens, lazer variado e excelentes restaurantes, tem a cidade de  Balneário Camboriú como referência. A cidade é conhecida nacionalmente como uma ótima opção para quem procura um empreendimento.

De acordo com levantamento feito pela Prospecta Inteligência Imobiliária e divulgado na revista Exame, aponta Balneário Camboriú entre o ranking das 100 melhores cidades para se investir em imóveis, além de ter déficit habitacional de 40,40%. O estudo de análise do mercado de imóveis da Prospecta levou em consideração a demanda de cada região estudada. Com base nos dados divulgados, o município apresenta ótimo desempenho no setor imobiliário nacional. Muitos investidores têm alocado recursos na cidade, estimulando o desenvolvimento de novos empreendimentos e valorizando o mercado imobiliário da região.

Outro ponto a se destacar é que a cidade apresenta um forte desempenho econômico, com muita qualidade de vida, colocando Balneário Camboriú entre as 10 cidades com maior PIB de Santa Catarina. Os dados do IBGE também apontam que a concentração urbana de Itajaí e Balneário Camboriú, que integra sete municípios da região, detém a maior fatia do PIB a preços correntes de Santa Catarina. Com R$ 44,4 bilhões, a região é a sexta do Brasil e ultrapassou a concentração urbana de Florianópolis, que era a detentora do primeiro lugar no Estado.

A qualidade de vida em Balneário Camboriú também se aplica na hora de escolher investir em imóveis na cidade. Em um único lugar, pode-se encontrar segurança, acesso à saúde, educação de qualidade e múltiplas opções de lazer. No quesito segurança, a cidade está entre as 10 cidades mais seguras do estado, ocupando a 6ª posição, isso devido a uma integração muito eficiente entre os órgãos de segurança. Outro ponto que leva a cidade a estar entre as mais seguras, é o investimento em segurança indireta, como a iluminação pública, câmeras de vigilância e outras coisas do gênero. A cidade também ocupa o 12º lugar entre todas as cidades do Brasil no Ranking da Urban Systen 2021, que avalia vários setores como segurança, mobilidade, urbanismo, meio ambiente, economia, saúde, empreendedorismo, entre outras. Esses itens fazem com que a cidade tenha um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil: 0,845. Com isso, ocupa a 3ª posição no ranking nacional e a 2ª em Santa Catarina.

Housi estará presente com seus principais serviços

A Housi fará a gestão das locações disponibilizadas. Entre as opções de lazer e serviços do empreendimento estão a parte de piscinas, lavanderia, mercado, academia, fireplace, pub e boate, salões gourmet, coworking, espaço pet e outros a serem desenvolvidos com a participação da Housi. Os serviços como Housi Decor e Housi Pay também estão em processo de negociação para levar ao local mais comodidade e facilidades que só a startup oferece aos seus moradores.

De acordo com Alexandre Frankel, CEO da Housi, a cidade de Balneário Camboriú é perfeita para os investidores que querem ter uma rentabilidade forte e atrativa dentro do mercado imobiliário.

“Não é à toa que um dos mais charmosos balneários do Brasil, é conhecido como a Dubai brasileira, pelo poder do seu mercado imobiliário. É gratificante podermos estar presentes com a Housi, em uma cidade aconchegante, com boa infraestrutura, belas paisagens, variedade de lazer e excelentes restaurantes. Tenho certeza que a Housi vai atender todas as expectativas de investidores e futuros moradores”, indica o CEO.

Mercado Imobiliário: compradores buscam apartamentos até R$800 mil e inquilinos dão preferência a até 90 m² em São Paulo

Propdo, empresa israelense que fornece soluções em software para tomada de decisão no setor, aponta ainda que bairros como Butantã, Mooca e Ipiranga são os locais onde os imóveis mais valorizaram nos últimos seis meses

O perfil de escolha dos investidores e moradores de São Paulo está em constante mudança. Após uma debandada das regiões centrais da cidade e busca por espaços maiores durante a pandemia, o mercado imobiliário agora vê uma mudança no interesse pela localização e tamanho das propriedades. De acordo com a Propdo, proptech israelense que fornece soluções em software para tomada de decisão no mercado imobiliário e chegou ao Brasil com um investimento de U$3 milhões, 55% dos compradores procuram por imóveis na faixa dos R$240 mil a R$800 mil e 51% preferem espaços entre 46m² e 90m². No arrendamento, 81% dos inquilinos buscam apartamentos até 90m².

“Se isolarmos o mercado de imóveis de segunda mão, que é sempre um indicador melhor e mais limpo da salubridade do mercado imobiliário local, analisando nossos dados estatísticos entre janeiro e junho deste ano, podemos detectar que os bairros de periferia de primeira linha como Butantã, Santana, Belém, Mooca, Casa Verde, Cambuci, Água Rasa, Ipiranga e Brás, são os que mais valorizaram, alavancando os preços dessas regiões em 2,63%”, explica Nathan Varda, head da Propdo no Brasil.

O estudo também aponta que bairros centrais como Pinheiros, Itaim Bibi, Moema, Jardim Paulista, Vila Mariana, Alto de Pinheiros, Consolação, Pedizes e Barra Funda, apresentaram uma menor valorização de seus imóveis, com um aumento médio nos valores de apenas 1,73%. “Isso indica duas situações, a primeira é que as pessoas ainda buscam morar perto do centro da cidade, mas como nessas regiões os valores são mais altos, os primeiros a ter mais demandas são os bairros de periferia de primeira linha. Isso também aponta um potencial para aumentos de preços em alguns desses bairros, sendo possíveis lugares para se investir”, aponta Nathan.

Outro ponto do estudo é a procura por apartamentos funcionais ao em vez de grandes espaços. De acordo com dados da proptech, 51% dos compradores buscam apartamentos entre 46m² e 90m² (20% – 46 a 60 m²; 31% – 61 a 90 m²) e para alugar a busca é por menores de 90 m².

Sobre os valores, a empresa cita que 55% dos compradores desejam comprar por R$240 mil a R$800 mil (32% – R$240k a R$500k; 23% – R$500k a R$800k). Além disso, verificou-se que o perfil de imóveis mais comum à venda no mercado, hoje, ou seja, o ativo mais desejável para venda em São Paulo são apartamentos de até 3 quartos com uma média de 140m², fora do padrão buscado pelos investidores e moradores.

Por fim, a Propdo identificou que, no último mês, os bairros que mais aumentaram o número de imóveis à venda são: Higienópolis, Boaçava, Paraíso, Perdizes, Pinheiros. “Detectamos principalmente fortes movimentos de investidores, altas demandas e novas construções que lançam novos apartamentos ao mercado. Estes bairros apresentaram mais de 3,5% de novos apartamentos para venda”, completa Varda.

Brasil tem as cidades mais baratas para morar entre as principais da América Latina

Buenos Aires é a cidade mais cara da América Latina para comprar ou alugar um imóvel. Já as cidades brasileiras aparecem entre as mais baratas. A conclusão faz parte de um estudo inédito feito pelo QuintoAndar com dados de 12 das cidades mais populosas da região.
 

Segundo a publicação, intitulada “O mercado residencial na América Latina”, o Brasil aparece com apenas uma cidade entre as cinco mais caras para comprar e só com uma também entre as cinco com o aluguel mais alto. Brasília tem o 5º maior custo para compra, enquanto São Paulo tem o 4º maior para alugar.
 

O levantamento foi feito levando em conta dados dos últimos 12 meses, encerrados em julho de 2022, com base nos anúncios e nas buscas feitas nos portais Zonaprop (Argentina), Imovelweb e WImóveis (Brasil), Plusvalia (Equador), Inmuebles24 (México), Compreoalquile (Panamá), Adonde Vivir e Urbania (Peru), integrantes do Grupo QuintoAndar.

Foram analisadas sete cidades do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre) e cinco capitais da América Latina (Lima, Cidade do México, Buenos Aires, Quito e Cidade do Panamá). Juntas, essas cidades congregam mais de 55 milhões de habitantes.
 

Como fora do Brasil os imóveis são listados tanto em moeda local como em dólar americano, foi feita uma conversão de todos os dados para dólares americanos usando a taxa média mensal de fechamento do mês em que o anúncio foi criado para permitir uma comparação.
 

“Esse estudo ajuda a mapear um mercado relevante de moradia e carente de informação de qualidade. E contribui com nossa missão de auxiliar as pessoas a morarem melhor, uma vez que democratizar o acesso a esses dados permite uma tomada de decisão mais assertiva e empoderada. Trata-se de um material exclusivo e que reforça nosso papel de referência não só no Brasil“, ressalta Bruno Rossini, diretor de Comunicação do QuintoAndar.
 


Compra e venda: Buenos Aires é a cidade mais cara; Brasília aparece em 5º lugar

De acordo com o estudo, o metro quadrado na capital argentina custa, em média, US$ 2.479. É o mais caro entre todas as analisadas. O Brasil tem as cidades com os preços mais baixos. Veja todos os valores no gráfico:
 

A inflação, a valorização do dólar e as elevadas taxas do crédito para a habitação têm feito com que muitos consumidores adiem os seus planos de compra de um imóvel e continuem no aluguel. O ponto é que, como o preço de venda está mais caro, as pessoas preferem esse mercado, diminuindo o estoque para aluguel.

Aluguel: Buenos Aires também está no topo; São Paulo fica em 4º lugar

Para aluguel, Buenos Aires também figura no topo do ranking do preço do metro quadrado anunciado entre as 12 cidades analisadas. O preço médio do m² nos últimos 12 meses, encerrados em julho, foi de US$ 11,8. Isso significa que um apartamento de 50 m² não sai por menos de US$ 590 por mês na “Paris da América Latina”.

As cidades brasileiras aparecem novamente na parte debaixo do ranking. Veja todos os valores no gráfico:


“Durante a pandemia, houve uma curiosa combinação de fatores que se traduziu num pequeno boom imobiliário. E é possível perceber que o mercado na América Latina está hoje, em boa parte, aquecido. A Argentina é uma exceção: Buenos Aires vive um cenário de muita oferta e pouca procura. Ainda assim, com a inflação em alta, os preços de imóveis na capital são comparativamente maiores que os de outras cidades da região”, explica Vinicius Oike, economista do QuintoAndar.

Comprometimento de renda tem nível crítico nas cidades

O estudo também aponta uma situação crítica no que diz respeito ao comprometimento da renda com o aluguel. Apenas 3 das 12 cidades analisadas apresentam um percentual inferior a 30% – considerado o limite recomendado por especialistas. As três são brasileiras: Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

E, quando se fala na compra de imóveis, das 12 cidades analisadas, 11 aparecem com um índice de acessibilidade financeira considerado “alarmante” – ou seja, quando o indicador que revela quantos anos de renda uma família precisa comprometer para comprar um imóvel é superior a 7-10 anos.  A única exceção é Belo Horizonte, que, ainda assim, possui um indicador “preocupante” (pouco menos de 7 anos).
 

“Os valores de comprometimento para compra são bastante similares e também indicam uma baixa acessibilidade financeira. Já os valores no aluguel apontam para um mercado formal descolado da renda familiar média. No caso da Cidade do México, há uma fatia expressiva do mercado que atende estrangeiros, que tipicamente têm renda muito mais elevada que a família média local”, ressalta Oike.

Busca por apartamentos segue em alta na América Latina

A pesquisa também mostra que, em 11 das 12 cidades analisadas, a procura por apartamentos supera as buscas por casas. A exceção na lista é Quito, onde o inverso é registrado – cerca de 54% das buscas são por casas. A capital tem uma das menores densidades demográficas entre todas as cidades analisadas (3.400 hab/km²), o que ajuda a explicar o percentual.

Entre as cidades brasileiras analisadas, a maior diferença foi identificada em Brasília, no Distrito Federal. Na capital do país, em média, 69% das buscas no primeiro semestre deste ano foram por apartamentos, enquanto somente 31% das procuras foram por casas.

No universo latino-americano, o volume de procura por imóveis verticais é bem próximo do registrado no Brasil. Em Buenos Aires, por exemplo, cerca de 80% das buscas visam apartamentos. Já na Cidade do México esse percentual é de 60%. Lima e Cidade do Panamá seguem na mesma tendência, com incidência próxima de 70%.

Segundo o estudo, há uma tendência de crescimento na procura por casas. No primeiro semestre de 2019, para o mesmo período de comparação, 70% das buscas eram por apartamentos, enquanto 30% eram por residências térreas.

Jardim, varanda e quintal: filtros revelam busca por espaço e natureza

O estudo revela ainda os filtros mais usados por quem procura um imóvel nas 12 cidades analisadas. O desejo por um cantinho extra e por um contato maior com a natureza são evidentes. Varanda e jardim, por exemplo, estão presentes na preferência de boa parte dos que acionam os filtros, seja em Curitiba ou em São Paulo, seja na Cidade do México ou em Quito. Já o quintal é o campeão na Cidade do Panamá.

As características de determinadas regiões também influenciam na procura. O tradicional churrasco, por exemplo, une os hermanos de Buenos Aires aos gaúchos de Porto Alegre: ambos colocam a churrasqueira como uma prioridade no imóvel tão sonhado.

A metodologia

A base de dados analisada é composta por anúncios imobiliários nos portais do grupo Navent de julho de 2021 até julho de 2022. A cobertura geográfica inclui 6 países (Argentina, Brasil, Equador, México, Panamá e Peru).

Foram escolhidas 12 cidades, que estão entre as mais populosas e mais representativas economicamente da região, além de possuírem um volume significativo de anúncios nos portais do Grupo QuintoAndar. São elas: Brasília (BRA), Belo Horizonte (BRA), Buenos Aires (ARG), Cidade do México (MEX), Cidade do Panamá (PAN), Curitiba (BRA), Lima (PER), Porto Alegre (BRA), Quito (EQU), Rio de Janeiro (BRA), São Paulo (BRA) e Salvador (BRA).

Para padronizar a comparação de preços entre os países no estudo, foram selecionados apenas os anúncios de compra/venda e de aluguel de apartamentos. Já para a análise dos filtros mais utilizados foram considerados tanto apartamentos como casas e todos os filtros de busca acessíveis nos sites.

Para a comparação de custo de vida e affordability foi feita uma conversão para dólares em paridade de poder de compra ou ppp (purchase power parity). Este tipo de conversão cambial ajusta as diferentes taxas de câmbio às flutuações domésticas no nível de preços e permite uma comparação mais adequada do custo de vida e do poder de compra da população nos países. As taxas de câmbio em paridade de poder de compra foram extraídas do Banco Mundial.

Senior Sistemas realiza Fastbuilt Experience 2022, evento que destaca soluções tecnológicas para o setor da construção

Nos dias 06 e 07 de outubro a Senior Sistemas participa da Fastbuilt Experience, em Blumenau Santa Catarina. Durante o evento a empresa irá destacar soluções para o segmento da Construção dentro das áreas atendidas: Engenharia (Construção civil e pesada), Incorporação e Urbanismo. Com o ERP Mega Construção a companhia é atualmente a principal fornecedora de tecnologias para gestão de empresas do setor da construção.

“Atendemos mais de 2 mil clientes do setor da construção e vivemos com eles momentos diversos da nossa economia. Durante as movimentações do cenário econômico, nossa tecnologia se mostrou resiliente e essencial, especialmente por atender a busca incessante das empresas por transformar seus processos para garantir maior controle, produtividade e também capacitação”, destaca Cleber Francischini, Head de Produto na Senior Sistemas.

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), apontou em seu levantamento realizado em junho de 2022, que o setor da Construção foi um dos que apresentou maior evolução no indicador investimentos em digitalização. No estudo, que é realizado de 3 em 3 meses, cerca de 15,5% das empresas deste setor informou ter aumentado os investimentos, contra 5,5% na pesquisa anterior, 10 pontos percentuais a mais.

A aplicação de tecnologia nos negócios do setor da construção tem tornado o gerenciamento de processos mais eficaz, reduzindo desperdícios, erros e acidentes de trabalho. Além disso, o investimento na gestão digital também contribui com o controle de custos e prazos, e todo o acompanhamento da qualidade e do andamento dos serviços.

“Nossa tecnologia já é uma realidade no dia a dia da gestão de obras, tanto em tarefas operacionais como na gestão de orçamentos. Também conseguimos mensurar produtividade com indicadores e visão voltada para as atividades dos colaboradores e equipamentos, além de toda parte de planejamento, gestão de segurança da obra e contratos com empreiteiros”, explica o Head da Senior Sistemas.

Com o avanço do Índice de Confiança da Construção, que avançou 3,5 pontos em setembro deste ano, de acordo com avaliação feita pelo Instituo Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Ibre), a expectativa é que o ano de 2022 feche tão positivo como o ano anterior para as empresas do setor da construção.

“As empresas que estão imersas na transformação digital do setor da construção já estão se movimentando de forma ágil para aproveitar os movimentos positivos de mercado. Para as empresas que ainda não se prepararam para a digitalização, estaremos na Fastbuilt apresentando nosso portfólio, com cases de grandes players do nosso mercado”, finaliza Cleber Francischini da Senior Sistemas.

Durante a Fastbuilt Cleber Francischini também será palestrante. A apresentação do Head de Produto da Senior Sistemas irá abordar o tema: “X Platform – Impulsionando a transformação digital na Construção” no dia 07/10, às 09h00.

Maior rede de administradoras de condomínios teve seu primeiro evento pós-pandemia

Durante a pandemia que atingiu o mundo todo em 2020, os eventos corporativos foram suspensos para evitar qualquer tipo de transmissão do vírus, fazendo com que as organizações se reinventassem, promovendo encontros online, com objetivo de manter os colaboradores dentro da cultura organizacional.

Entretanto, com a passagem da pandemia, finalmente os eventos presenciais foram se restabelecendo e criando fôlego para novos desafios, e isso não apenas no mundo corporativo. O modelo híbrido se tornou o novo presencial, trazendo o melhor dos dois mundos, oferecendo uma melhor experiência aos convidados.

A BRCondos, proptech que administra mais de dois mil condomínios pelo Brasil, não ficou de fora dessa retomada. A empresa realizou no mês de setembro a edição anual do seu summit, convenção de todos os franqueados da empresa, que tem como objetivo manter um bom relacionamento e integração entre os franqueados.

“Queremos restabelecer essa conexão entre os nossos colaboradores, e a primeira edição do summit após a pandemia foi fundamental para ampliar o relacionamento com nossos franqueados e também entre eles” comenta Hugo Fabiano Cordeiro, CEO da BRCondos.

O evento apresentou novidades do setor, além de pautas, como a Copa do Mundo, que ocorre no mês de novembro, o objetivo é sugerir encontros entre os condôminos para assistirem aos jogos da copa de forma harmoniosa dentro dos condomínios, promovendo um bom relacionamento entre os moradores.

Imovelweb aponta que os preços dos imóveis em Curitiba estão em alta

O Imovelweb,um dos maiores portais imobiliários do País, divulga seu relatório mensal de preços de agosto em Curitiba, o qual mostra que os preços de imóveis na cidade estão em alta.

No caso do aluguel, o index de Curitiba mostra que o preço médio mensal ficou em R$ 1.811 para os apartamentos de dois quartos, subindo 2,5% no mês. O incremento de preço acelerou em agosto, aumentando a diferença com a inflação.

Já para os imóveis à venda, o relatório apontou que o preço do m² vem registrando, desde outubro de 2019, um aumento mensal ininterrupto. Em agosto, o preço médio na cidade, ficou em R$ 8.314 por m², subindo 2,2% no mês.

Análise dos últimos 12 meses e acumulado de 2022

Na análise dos últimos 12 meses, o aluguel na cidade subiu 23,7%, muito acima da inflação e do ajuste do IGP-M. Para os imóveis à venda, o preço subiu 5,6% em termos reais no período.

Já no acumulado de 2022, o valor do aluguel teve um incremento de 14,5%, abaixo da inflação (5,0%) e do IGP-M (7,6%). Quando se trata das propriedades à venda, em 2022, o aumento foi de 11,2%, muito acima da inflação, o que deriva em uma alta real de 6,2%.

Preços nas regiões e bairros de Curitiba para alugar e comprar um imóvel

Para quem busca um imóvel para alugar, Matriz é a região mais cara, com um valor de aluguel mensal de R$ 2.092. Boa Vista é a mais barata, custando R$ 1.410 por mês.

Valor médio do aluguel mensal nas demais regiões de Curitiba:

RegiãoValor do aluguel (R$)Variação MensalVariação Anual
BOA VISTA1.4100,6%18,1%
BOQUEIRÃO1.4313,3%16,1%
PINHEIRINHO1.4731,4%21,2%
CAJURU1.6171,3%S/D
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA1.6435,1%22,1%
FAZENDINHA-PORTAO1.6951,1%24,4%
SANTA FELICIDADE1.8961,2%13,1%
MATRIZ2.0923,5%26,4%

Já na análise por bairros, Centro Cívico tem o maior preço médio, com um aluguel de R$ 2.922 por mês. Parolin é o mais econômico, custando R$ 1.050 mensais.

ALUGUEL – BAIRROS MAIS E MAIS CAROS EM CURITIBA
Bairros mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
PAROLIN1.050-5,5%4,8%
CACHOEIRA1.0530,6%-2,6%
TATUQUARA1.077S/D9,3%
Bairros mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
CAMPINA DO SIQUEIRA2.3659,5%19,1%
PRADO VELHO2.740-0,9%23,7%
CENTRO CÍVICO2.9223,9%S/D

Para os imóveis à venda, o relatório de agosto aponta que Santa Felicidade é a região mais cara, com o metro quadrado custando quase R$ 10 mil. Campina do Siqueira é o bairro mais caro, com metro quadrado de quase R$ 12 mil.

Valor médio do m² mensal nas regiões de Curitiba:

RegiãoValor do m²Variação MensalVariação Anual
BAIRRO NOVO3.4780,6%4,8%
BOQUEIRÃO5.1170,3%11,9%
PINHEIRINHO5.4020,7%9,3%
CAJURU5.8802,4%S/D
BOA VISTA6.9322,2%15,0%
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA7.3111,5%S/D
FAZENDINHA-PORTAO8.2272,0%13,5%
MATRIZ9.7542,3%15,1%
SANTA FELICIDADE9.9824,0%19,5%
IMÓVEIS À VENDA – BAIRROS MAIS E MAIS CAROS EM CURITIBA
Bairros mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
CAMPO DE SANTANA3.0970,5%5,7%
AUGUSTA3.1930,0%4,7%
CACHOEIRA3.2400,5%7,5%
Bairros mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
BATEL11.3933,2%13,9%
BIGORRILHO11.4853,3%S/D
CAMPINA DO SIQUEIRA11.9464,5%9,4%

Rentabilidade

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. O relatório de agosto apontou um índice de 4,35% bruto anual, o que significa que são necessários 23 anos de aluguel para reembolsar o investimento de compra, 5,9% a menos que um ano atrás.

Boqueirão e Cajuru são as regiões que oferecem mais retorno para os investidores. Lindia e Centro Cívico são os melhores bairros para quem busca renda. 

Rentabilidade por região:

RegiãoRentabilidade
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA2,8%
SANTA FELICIDADE2,8%
MATRIZ4,4%
BOA VISTA4,5%
FAZENDINHA-PORTAO4,7%
PINHEIRINHO4,9%
BOQUEIRÃO5,0%
CAJURU5,5%

Os dados do relatório mensal de preços do Imovelweb, também chamado de Index, são gerados com base em 100% dos imóveis listados no portal, seja aluguel ou venda, mostrando o preço médio das propriedades.