Líder em alto padrão, Axis 21 parte para construção de casas em Curitiba

Líder em alto padrão, Axis 21 parte para construção de casas em Curitiba

Referência no mercado imobiliário em Curitiba, a Axis 21 Imóveis inicia os planos de construção de casas em condomínios. A empresa aproveita o aquecimento do setor, que teve alta procura dos clientes por residências mais amplas e com mais conforto durante a pandemia da Covid-19.

Já foram adquiridos terrenos em bairros nobres como Santa Felicidade e Campo Comprido, na capital paranaense, para os primeiros projetos. A ideia é atender, na medida exata, as necessidades de quem quer uma moradia confortável e funcional para o chamado “novo normal” das grandes cidades. 


Os diretores da empresa apostam em um movimento cada vez maior de compra desses imóveis nos próximos anos. “O mercado está muito aquecido, com alta demanda e a faixa de alto padrão é de grande domínio da Axis 21. Vamos usar a expertise da imobiliária para atender o alto nível de exigência do consumidor curitibano”, explica Milton Ribeiro. 


Izabel Martins Campos explica o interesse cada vez maior dos clientes na procura por residências em condomínios fechados. “As famílias passam mais tempo em casa, trabalhando, estudando. A maioria das pessoas percebeu a falta de quartos a mais, um escritório, uma área aberta privativa para tomar um sol, por exemplo”. 

Tags, , , , ,

Startup de decoração cria plataforma de educação para arquitetos

Sair da faculdade e ingressar em uma determinada profissão nem sempre é fácil. Com a necessidade de treinar arquitetos para a ArqExpress – startup de arquitetura e decoração que inova ao entregar projetos com orçamento total pré-definido pelo cliente e em tempo recorde – a arquiteta Renata Pocztaruk descobriu um novo nicho: a educação.

Assim surgiu, em 2017 o Club ArqExpress- uma área da startup desenvolvida para ensinar estudantes e arquitetos os caminhos para ter sucesso na profissão, com tudo o que não foi visto na universidade. Além de criar uma metodologia própria para atendimento ao cliente, Renata desenhou 50 cursos e 9 guias para disseminar o seu conhecimento. Até agora, mais de 100 mil profissionais já passaram pelo club e se destacam sendo empreendedores ou já saem da faculdade prontos para encarar os desafios da carreira.

A empresa possui também mentorias para escritórios de arquitetura que querem ter a chancela by ArqExpress. Com isso, estão presentes em mais de 20 cidades, promovendo a transformação e bem-estar dos moradores de diversas regiões do país.

“Temos um trabalho reconhecido no mercado e queremos disseminar o conhecimento para novos profissionais ou aqueles que querem uma transformação na carreira. Todos precisam de um ensinamento que vai além da universidade, por isso desenvolvi uma metodologia própria, para guiá-los no caminho rumo ao sucesso na arquitetura”, afirma Renata Pocztaruk.

Para saber mais sobre o Club ArqExpress e os cursos, acesse: https://clubarqexpress.com.br

ABRAMAT: Indústria de Materiais de Construção mantém boas expectativas

ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) divulga nessa terça-feira, 01, a nova edição do Termômetro da Indústria de Materiais de Construção. A pesquisa de opinião realizada com as lideranças do setor indica que, em novembro, para 82% dos associados, o desempenho no mercado interno foi positivo, sendo que 41% apontou o mês como ‘muito bom’ e 41% como ‘bom’. Para 12%, o mês foi de desempenho regular.

A expectativa para dezembro segue positiva, com 36% dos associados aguardando um período ‘muito bom’ e 32% considerando que o mês será ‘Bom’. Para 32%, dezembro deve ser regular. Não há nenhuma empresa associada com expectativa negativa para o último mês do ano.

Rodrigo Navarro, Presidente Executivo da ABRAMAT, afirma que “com muito trabalho, estamos retomando o crescimento que tivemos nos dois anos anteriores; 2020 tem sido um ano de desafios e superações, mas a demanda alta no varejo, o aquecimento da construção comercial e residencial, o lançamento do Programa Casa Verde Amarela, a aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico e a expectativa de retomada das obras paradas de infraestrutura trazem indicativos de que poderemos ter sustentabilidade desse crescimento em 2021”.

O Termômetro da ABRAMAT também aponta que a utilização da capacidade instalada vem crescendo de forma consistente para fazer frente ao aumento de demanda: de apenas 53% no auge da crise em maio, no mês de novembro as fábricas estão quase em situação de utilização plena, atingindo 88%.

Outro número que chama a atenção na pesquisa trata da intenção de investimento, onde 86% dos empresários do setor indicaram que pretendem investir nos próximos 12 meses, seja para a modernização dos meios de produção ou na expansão da capacidade. Esse percentual de intenção é o maior dos últimos 12 meses.

“Casa24h” é vencedora do 23º Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade

 A 23ª edição do Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade teve seus vencedores anunciados hoje, 03 de dezembro. A Casa24h, projeto da Inovatech Engenharia que, como o nome diz, foca em produtividade e integração de processos para finalização de uma casa em 24 horas, conquistou o 1º lugar na categoria “Gestão da Produção e Pesquisa e Desenvolvimento”.

Luiz Henrique Ferreira, CEO e fundador da Inovatech,  disse que “o reconhecimento é um sinal claro de que estamos no caminho certo em aliar produtividade e sustentabilidade desde as fases iniciais dos projetos e esperamos que isso ajude no caminho de solução dos problemas habitacionais do Brasil”.

Casa completa em 24 horas

O conceito surgiu como um desafio dentro da edição 2019 da Feicon, maior feira voltada para o mercado de construção civil na América Latina. Na ocasião, 14 empresas parceiras foram mobilizadas e integradas para construção de uma casa de 45 m² em três ciclos de 8 horas. O modelo apresentado no evento, entretanto, é totalmente expansível, podendo ser aplicado verticalmente para edifícios de até 14 andares.

“A Casa24h é única na sua metodologia de concepção de produto e gestão de projetos e obras integradas. Contudo, todos os materiais e sistemas construtivos utilizados são usuais de mercado e enquadrados nas normas técnicas brasileiras. Assim, a escalabilidade é gigantesca”, disse Luiz.

Não é a primeira vez que a Casa24h ganha reconhecimento. Em 2019, o projeto foi escolhido para participar da Autodesk University Las Vegas, um dos maiores e mais importantes eventos na área de Building Information Modeling (BIM). A iniciativa brasileira se destacou entre 2.400 inscritos de todo o mundo e o case foi apresentado no espaço “industry talks” do encontro internacional.

Housi registra aumento de 167% nos contratos de moradia por assinatura durante a pandemia

A Housi, primeira plataforma de moradia por assinatura do mundo, registrou um aumento de 167% nos contratos de moradia entre julho e setembro deste ano na comparação com o trimestre anterior,  impulsionando o faturamento da empresa em 193% no mesmo período. 

Desde o início da quarentena, o volume de buscas no site também aumentou em 214%. Os números estão em linha com uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais Políticas e Econômicas (IPESPE), em agosto deste ano, que revela o desinteresse cada vez maior da população pela aquisição de um imóvel próprio. 

Segundo o levantamento, 60% do entrevistados afirmam estar dispostos a morar em imóveis de acordo com a fase de vida, incentivados por variáveis como mudança de emprego, casamento, separação ou início de um novo curso.  Os dados apontam, ainda, que 82% dos jovens entrevistados (entre 16 e 24 anos), querem fugir da responsabilidade de financiar uma casa ou apartamento por até 30 anos.

A Housi é uma plataforma de moradia por assinatura que atende o público B2C e B2B. Para os locatários, a Housi atua como uma plataforma de moradia por assinatura, sem burocracia e 100% digital. Para morar, basta acessar o site da Housi, selecionar o imóvel, o período de estadia e realizar o pagamento via cartão de crédito. No terceiro trimestre, a Housi registrou aumento de 294% em sua base de usuários, chegando a 60 mil assinantes no site e no aplicativo.

Para o investidor que compra o apartamento com a finalidade de alugar para rentabilizar, a Housi atua como uma plataforma de gestão patrimonial eficiente, proporcionando rentabilidade e tranquilidade ao proprietário. 

Itaú BBA eleva preço-alvo das ações da Moura Dubeux

Como reflexo do forte desempenho apresentado pela Moura Dubeux no mercado imobiliário do Nordeste, o Itaú BBA elevou o preço-alvo das ações da construtora, de R$ 13,70 para R$ 18,00 por papel no fim de 2021. A recomendação de outperform (classificação equivalente à compra) foi mantida pela instituição.

Em relatório, o banco de investimentos cita que a decisão foi tomada após participação em evento online para investidores com executivos da Moura Dubeux, que destacaram os números da incorporadora no terceiro trimestre e sua confiança no sentido de que o desempenho permaneça em evolução consistente nos últimos três meses de 2020.

O documento informa, ainda, que a Moura Dubeux mantém a confiança na demanda do Nordeste, citando a tendência de vendas sólidas percebida pela construtora até o momento no quarto trimestre, fato impulsionado pela velocidade impressionante das vendas de empreendimentos recém-lançados.

Além disso, o relatório aponta que a Moura Dubeux espera manter o ritmo de lançamentos observado até o momento no quarto trimestre de 2020, o que sugere um VGV (Valor Geral de Vendas) de lançamentos de R$ 1,5 bilhão em 2021.


A companhia anunciou recentemente que irá realizar o lançamento de seis novos empreendimentos no quarto trimestre, com VGV potencial de R$ 494 milhões, fechando o ano de 2020 em R$ 769 milhões.

Preço de imóveis residenciais sobe 0,45% em novembro

■ Análise do último mês: o Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades, registrou avanço de 0,45% em novembro, ante avanço de 0,43% computado em outubro. Comparativamente, a variação mensal do índice foi inferior ao comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mês (+0,62%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil*. Uma vez confirmada a variação esperada dos preços ao consumidor, o preço médio de venda de imóveis residenciais encerrará o referido mês com queda de 0,17%, em termos reais. Individualmente, à exceção de Campo Grande (-0,07%) e Belo Horizonte (-0,08%), onde os preços permaneceram praticamente estáveis, as demais capitais monitoradas pelo Índice FipeZap apresentaram elevação do preço médio de venda de imóveis residenciais no último mês, destacando-se as variações registradas em: Manaus (+1,23%), Recife (+1,22%), Curitiba (+1,06%), Vitória (+1,05%), Maceió (+1,04%), Goiânia (+0,97%) e João Pessoa (+0,94%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, municípios com maior peso na composição do Índice FipeZap, a variação nominal registrada em novembro foi de +0,31%.

■ Balanço parcial de 2020: até novembro de 2020, o Índice FipeZap acumula alta nominal de 3,21%, ante variação de +2,85% esperada para o IPCA/IBGE nesse período*. Na comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e a inflação esperada, a expectativa é que o preço médio de venda dos imóveis residenciais encerre o período com alta real de 0,35%. À exceção de Recife, onde o preço médio de venda residencial acumula queda de 0,96% no ano, as demais capitais brasileiras monitoradas apresentaram avanço no período, destacando-se as variações observadas em: Brasília (+9,16%), Curitiba (+7,47%), Manaus (+5,95%), Maceió (+5,94%), Florianópolis (+5,94%), Vitória (+5,71%) e Campo Grande (+5,0%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os preços médios de venda do segmento residencial encerraram o período com altas acumuladas de 3,40% e 1,30%, respectivamente.

■ Últimos 12 meses: nesse horizonte temporal, o Índice FipeZap de Venda Residencial acumula um avanço nominal de 3,19%. Comparando-se com a inflação acumulada nos últimos 12 meses (+4,03%), de acordo com o IPCA (IBGE)*, o índice exibe queda real de 0,81%. Entre as capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, Brasília acumula o maior aumento nominal (+9,05%), seguida por Curitiba (+7,74%), Vitória (+6,34%), Florianópolis (+6,24%), Campo Grande (+5,25%), Maceió (+5,02%) e Belo Horizonte (+4,19%). Em contraste, Fortaleza acumula a maior queda no preço médio das capitais (-1,32%), sendo acompanhada no campo negativo por Recife (-0,56%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, as variações acumuladas em 12 meses revelam altas de 3,64% e 1,13% no preço médio, respectivamente.

■ Preço médio de venda residencial: tendo como base a amostra de imóveis residenciais anunciados para venda em novembro de 2020, o preço médio calculado foi de R$ 7.455/m² entre as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Dentre as capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, Rio de Janeiro apresentou o preço de venda mais elevado (R$ 9.409/m²), seguida por São Paulo (R$ 9.294/m²) e Brasília (R$ 7.988/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial por m² no mês, incluem-se: Campo Grande (R$ 4.339/m²), Goiânia (R$ 4.446/m²) e João Pessoa (R$ 4.473/m²).

Nota (*): informação publicada no Boletim Focus do Banco Central do Brasil em 30/11/20. A variação real efetiva será conhecida apenas após a divulgação do IPCA/IBGE.

Archademy abre nova sede em Curitiba e amplia a sua atuação como desenvolvedora de projetos de arquitetura

Concebida com 28 estações, unidade paranaense reúne diversos serviços para impulsionar negócios de arquitetos e designers de interiores

A Archademy, o primeiro e maior Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, acaba de inaugurar um espaço de coworking na capital paranaense, com ampla infraestrutura em termos de serviços de apoio aos arquitetos e designers de interiores, reforçando ainda mais a sua atuação como desenvolvedora de negócios e fomentadora de novos projetos.

O centro de inovação Arch&Design, é a quarta unidade da aceleradora, voltada a profissionais em busca de auxílio para deslanchar seus projetos, ou que almejam ampliar conhecimentos, fazer contatos e adquirir parcerias.

A nova sede de Curitiba, que acaba de entrar em operação, surpreende pelas suas dependências. São 28 estações, salas de reunião, bibliotecas de materiais e amostras, espaços para eventos sociais, workshops e palestras, além do tradicional ponto do café, lounge e até uma horta comunitária.

A Archademy Curitiba nasceu de uma parceria com a Apolar Concept. “É um espaço voltado, principalmente, às conexões que os arquitetos e designers poderão fazer entre si e com fornecedores. A Archademy tem se notabilizado pela sua atuação como facilitadora na realização de eventos e contatos entre profissionais e fornecedores, fomentando amplamente novos negócios”, afirma Anna Rafaela Torino, uma das fundadoras da Archademy.

A opção para a instalação de uma unidade na região sul faz parte do ambicioso plano de expansão da aceleradora no país. “O sul é sempre estratégico por se tratar de um importante polo de decoração, e Curitiba ainda é favorecida pela proximidade com São Paulo”, afirma Anna.

A primeira unidade idealizada pela Archademy fora de São Paulo está situada em Florianópolis, no empreendimento Cidade Milano. A aceleradora, no entanto, planeja estender seus serviços para outras praças igualmente promissoras em negócios nos setores de arquitetura e design.

A próxima capital que receberá uma sede da Archademy será Brasília (DF). “Em 2020 ampliamos as nossa soluções digitais. Em 2021, o plano é inaugurar mais 10 unidades em todo país e consolidar a Archademy como centro de negócios para o mercado da construção civil. Acreditamos muito neste modelo híbrido”, diz.

Mesmo com a pandemia, Anna observou um aumento de 50% na frequência das unidades da Archademy, no mês de outubro em relação julho. Ela atribui esse incremento à flexibilização do isolamento e a volta às aulas. “Nesse ano atípico devido à pandemia, nesses últimos meses, as pessoas mudaram o foco que normalmente têm de se preparar para as férias e estão mais voltadas ao trabalho e em avançar com seus projetos. Isso explica esse aumento na procura pela Archademy, analisa.    

Criada em 2016, hoje a Archademy responde por 32% do mercado de arquitetos no Brasil. O segredo por detrás do forte crescimento é a adoção do conceito de Market Network, que vai além do marketplace. “Enquanto o marketplace fornece transações entre vários compradores e vendedores, o Market Network permite que as pessoas se comuniquem 360 graus com todos os que fazem parte da rede, impulsionando novos negócios mais rapidamente”, explica Raphael Tristão, CEO da construtech.

Os arquitetos que fazem parte da rede de aceleradoras contam com a Comunidade Archademy PRO que oferece capacitação, relacionamentos e negócios. Além de conteúdos de gestão, marketing e vendas, a Archademy PRO oferece um canal exclusivo na plataforma slack. Além de todos materiais, os escritórios também estarão conectados por um canal exclusivo no Slack, uma plataforma de comunicação e networking, com objetivo de fomentar novos negócios. 

Venda de imóveis na Newcore salta 84% no ano e confirma momento favorável do segmento

A Newcore, aplicativo que aproxima potenciais compradores a corretores autônomos de imóveis, registrou um salto de 84% na vendas de imóveis, de janeiro a outubro, na comparação com o mesmo período do ano passado. No terceiro trimestre, as vendas cresceram 32%, na comparação com o trimestre anterior, e 80% em relação ao mesmo período de 2019. O resultado comprova, além do aquecimento do mercado imobiliário, com a redução das taxas de juros, a proposta da empresa em preparar profissionais especializados para atender à crescente demanda de compradores em busca de soluções personalizadas.

O Estado de São Paulo ainda concentra o maior volume de vendas, com 70% das operações. Fora desse centro, Paraná e Paraíba também têm apresentado aquecimento nos negócios. Os imóveis de dois dormitórios continuam sendo os mais procurados, representando 46,1% das unidades vendidas, mas dividindo espaço com os de três dormitórios, com 36,8%.

Além do cenário econômico favorável, o aumento expressivo das vendas é resultado da ampliação na oferta de imóveis e nas regiões atendidas pela Newcore e da consolidação do método de treinamento dos corretores.

De janeiro a outubro, a captação de imóveis para venda somou 44.620 unidades, quantidade 42% maior do que no mesmo período de 2019. Em outubro, houve uma alta de 18,7%, ante setembro, passando de 3.947 para 4.685 novas unidades à venda. Dados preliminares de novembro registram 52 mil imóveis à venda na plataforma.

São Paulo – capital, região metropolitana, litoral e interior – é a região com o maior número de ofertas, seguida por Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Santa Catarina, respectivamente. Das unidades à venda, os imóveis de 3 dormitórios já dividem proporcionalmente o mesmo espaço que os de 2 dormitórios, cada um com uma fatia de 40%.

Em linha com o aumento das ofertas, a procura segue aquecida. De janeiro a outubro, o número de pessoas interessadas (leads) ultrapassou 128 mil, com pico de 15 mil, em julho, e média de 14 mil novos possíveis compradores, de agosto a outubro.

Formando especialistas – De janeiro a outubro, 12,6 mil pessoas se inscreveram na plataforma para atuar como corretores, com picos de solicitação em fevereiro, com 2,5 mil novos cadastros, e julho, com 1,5 mil. “A corretagem de imóveis é uma alternativa profissional relativamente simples, a partir da obtenção do certificado do Creci, a um custo de investimento baixo”, afirma Luiz Moraes, CEO da Newcore. “No entanto, a proposta da Newcore é promover alta qualificação para esses profissionais, transformando em especialistas, com atendimento de excelência e profundo conhecimento do segmento em que atua.”

Em outubro, 2,5 mil corretores estavam capacitados e ativos nos 440 distritos, em 356 cidades de nove estados em que a Newcore está atuando – São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Bahia, Minas Gerais, Paraná, Paraíba e Pernambuco.

Entre as principais metas de expansão das atividades da Newcore estão a capacitação e ativação de mais 2 mil corretores e ampliação para 30 novas cidades/distritos dos estado em que a Newcore ainda não atua, com destaque para cinco em Goiás e no Espírito Santo e três no Mato Grosso.

Outro projeto, já em andamento, é a atuação no mercado de imóveis novos e lançamentos, que já está sendo implementado em São Paulo, em parceria com nove incorporadoras e 60 corretores atuantes.

Preço do m² no Rio de Janeiro é o quinto mais alto da América Latina

A Navent, empresa da qual o Imovelweb faz parte, divulgou o resultado do Levantamento Imobiliário da América Latina (RIAL Di Tella-Navent/Zonaprop), feito em parceria com o Centro de Investigación en Finanzas (CIF) da Escuela de Negocios de la Universidad Torcuato Di Tella. De acordo com o estudo, Santiago (Chile) possui o metro quadrado mais elevado da América Latina (US$ 3.278/m²), seguido de Montevideo (Uruguai – US$ 2.857/m²), Buenos Aires (Argentina – US$ 2.847/m²), Cidade do México (México – US$ 2.269) e Rio de Janeiro (Brasil – US$ 2.224). As informações são referentes a setembro de 2020.

Confira a tabela com os preços em dólares do metro quadrado nas cidades da América Latina:

CidadeValor do m² (US$)
Santiago (Chile)3.278
Montevidéu (Uruguai)2.857
Buenos Aires (Argentina)2.847
Cidade do México (México)2.269
Rio de Janeiro (Brasil)2.224
Lima (Peru)2.080
Cidade do Panamá (Panamá)1.821
São Paulo (Brasil)1.744
Rosário (Argentina)1.654
Monterrei (México)1.535
Guadalajara (México)1.535
Córdoba (Argentina)1.442
Quito (Equador)1.250
Bogotá (Colômbia)1.217
Preço médio1.921

A pesquisa é feita duas vezes por ano e tem como objetivo estudar o comportamento do preço dos imóveis que são tipicamente habitados por jovens profissionais de 14 cidades latinoamericanas. Para realizar o estudo, foram selecionados bairros com características semelhantes nessas cidades, utilizando os seguintes filtros:

1. Número de quartos: 1 e 2 quartos (excluem-se os estúdios);
2. Preço do imóvel: entre US$ 10.000 e US$ 300;
3. Área coberta: entre 20 e 100 m²;
4. Soma dos metros cobertos (incluindo garagem) e metade dos descobertos menor que 200 m² (área de construção da casa/edifício).

No Brasil, os bairros selecionados para o levantamento foram Botafogo, Copacabana e Ipanema, no Rio de Janeiro; e Ibirapuera, Itaim Bibi, Jardins e Moema, em São Paulo. O levantamento leva em conta os preços anunciados nos sites de imóveis dessas regiões, sendo que a maior parte deles pertence à Navent. Os sites analisados no Brasil foram o Imovelweb (www.imovelweb.com.br) e Wimoveis (www.wimoveis.com.br).

A metodologia completa do estudo pode ser encontrada no site do CIF.

São Paulo e Córdoba registram maiores quedas nos preços dos imóveis


O estudo também compara a variação percentual dos preços entre março de 2020 (quando foi realizado o primeiro estudo do ano) e setembro de 2020 em três unidades de conta: dólar nominal (sem considerar a inflação), dólar real e moeda local real. O preço da moeda local real está ajustado pela inflação de cada país, enquanto o preço em dólar real utiliza a inflação dos EUA.

Quando se analisa os dólares nominais, as maiores quedas ocorreram em Córdoba (-13,5%), São Paulo (-9,0%) e Rio de Janeiro (-8,4%). Já em Moeda local, as diminuições mais significativas ocorreram em Montevidéu (-8,0%), São Paulo (-1,3%) e Cidade do México (-1,2%).

Confira a tabela completa de variação percentual dos preços:

CidadeDólar NominalDólar RealMoeda Local
Guadalajara (México)9,7%8,8%4,9%
Santiago (Chile)8,5%7,6%-0,9%
Lima (Peru)7,3%6,4%8,6%
Bogotá (Colômbia)7,0%6,1%3,1%
Monterrei (México)6,9%6,0%2,2%
Cidade do México (México)3,4%2,5%-1,2%
Quito (Equador)-0,9%-1,7%0,1%
Cidade do Panamá (Panamá)-2,2%-3,0%-1,0%
Montevidéu (Uruguai)-2,2%-3,0%-8,0%
Buenos Aires (Argentina)-5,1%-5,9%24,2%
Rosário (Argentina)-8,1%-8,9%20,2%
Rio de Janeiro (Brasil)-8,4%-9,1%-0,7%
São Paulo (Brasil)-9,0%-9,7%-1,3%
Córdoba (Argentina)-13,5%-14,2%13,2%
Preço Médio-0,3%-1,2%5,5%

Empreendimento da Icon Realty em Cajamar é inaugurado 100% locado

A Icon Realty, braço imobiliário do Grupo CB, que pertence ao empresário Michael Klein, inaugurou seu mais novo empreendimento, o Icon Realty Cajamar, no dia 28 de novembro. O empreendimento Triple A foi planejado com total flexibilidade para atender demandas dos mais variados ramos de atividades que buscam tecnologia, segurança, sustentabilidade e infraestrutura.

O Icon Realty Cajamar possui 77 mil m², pé direito de 12 m, piso nivelado a laser com capacidade para suportar até 6 Ton/m² e heliponto homologado. Conheça as principais características do empreendimento:

• Fibra ótica para rede de distribuição de dados do condomínio;

• Estação de tratamento de esgoto, estação de tratamento de água de reuso;

• Área de eficiência logística superior ao padrão, com: 90,02%;

• Área de preservação permanente: mais de 70 mil m² de mata preservada e plantio de 3 mil mudas nativas;

• Mezanino sob demanda;

• Amplo pátio para carretas com apoio ao motorista;

• Usina de geração de energia solar fotovoltaica e diesel.

Projeto único às margens da Rodovia Anhanguera, com acesso direto, localizado na região considerada a “Faria Lima” dos galpões logísticos. No empreendimento, foi aplicado o que há de mais moderno e sustentável na concepção de um condomínio logístico e industrial.

“Acreditamos em projetos desenhados para o futuro, com respeito ao meio ambiente, e estamos muito orgulhosos com a inauguração deste importante empreendimento e satisfeitos por já estarmos com a estrutura totalmente locada”, afirmou Michael Klein, CEO do Grupo CB. Para marcar a inauguração, 45 árvores frutíferas foram plantadas no local por colaboradores e seus familiares.

A Icon Realty está preparada para atender todos os perfis de clientes, inclusive multinacionais de grande porte, sob medida – built to suit, o que eleva a empresa a um novo patamar.

Tags, , ,