Category Archive Hub Imobiliário

Fundos imobiliários: especialista recomenda cautela ao investir

Um levantamento feito pela plataforma de investimentos Yubb mostrou que os fundos de investimentos imobiliários (FII) tiveram queda de até 62% em meio à pandemia do novo coronavírus. E um dos motivos que explicariam essa queda está ligado ao fato de que muitas instituições estão aderindo ao home office e fechando escritórios físicos.

Apesar disso, o mercado já mostrou sinais de recuperação. O IFIX, índice que reúne os principais fundos de investimento imobiliário, teve alta nos últimos dois meses e, apenas em junho, já sobe 4,33%.

Todos os ativos, principalmente de renda variável como as ações, tiveram queda acentuada com a crise do coronavírus. Os preços sofreram muito com a volatilidade do mercado. No início da crise, logo após o carnaval, tivemos uma forte queda nos preços dos ativos de renda variável. O medo e a falta de entendimento do problema que estaria por vir fez esse sentimento de pânico dominar o mercado. Muitos setores já recuperaram bem, porém lajes corporativas e shopping centers que antes da crise eram bem avaliados, com o cenário atual, isso mudou e outros fundos ganharam evidência“, explica João Beck, especialista em investimentos e sócio da BRA, um dos maiores escritórios de renda vatiável da XP Investimentos.

Segundo o especialista, o momento de crise exige cautela para procurar os melhores fundos que irão ter o desempenho ou recuperação maior.

“Uma opção interessante são os fundos de fundos, também conhecido como (FOF), em que o gestor diversifica e escolhe fundos já existentes. É uma forma de o investidor terceirizar essa gestão para especialistas que estão acompanhando o mercado de perto”, comenta.

Para João, nesse momento de crise, é aconselhável que o investidor tenha paciência e saiba diversificar os investimentos. “Opções de fundos imobiliários são muito interessantes em uma carteira de longo prazo. Além da valorização da cota, o cliente recebe dividendos (aluguéis) sem cobrança de imposto. Estamos vendo um cenário hoje de queda da taxa de juros. Esse novo ciclo provavelmente vem acompanhado com o aquecimento da economia e a valorização do setor imobiliário”, diz.

Os fundos de investimentos imobiliários (FII) são formados por grupos de investidores com o objetivo de aplicar recursos em diversos tipos de investimentos imobiliários, seja no desenvolvimento de empreendimentos ou em imóveis já prontos, como edifícios comerciais, shopping centers e hospitais. São negociados de forma eletrônica, da mesma forma que o investidor compra ações, por exemplo, da Petrobras.

“É uma forma simples de investir em imóveis sem a burocracia que ocorre nas negociações físicas. Esses investimentos pagam dividendos de forma mensal, que seriam os aluguéis, que entram na conta do cliente e são repassados para os cotistas de forma isenta de IR”, complementa João.

Tags, , , ,

Vendas de apartamentos de alto padrão crescem cerca de 84% em Belo Horizonte

Apesar da retração econômica vivida no país, devido à pandemia de Covid-19, o mercado de imóveis de alto padrão segue como um dos menos impactados pela crise. Em Belo Horizonte, a comercialização de apartamentos com preços acima de R$ 1 milhão registrou crescimento de 83,79% entre janeiro e agosto deste ano em comparação ao mesmo período de 2019. A cidade, que tem grande demanda no setor de alto luxo, mas que normalmente apresenta poucas ofertas de lançamentos ao ano, também apresentou uma alta no número de lançamentos no período: 140,25%.

Os dados fazem parte do Censo do Mercado Imobiliário, divulgado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG). A pesquisa aponta que as vendas passaram de 216 unidades, entre janeiro e agosto de 2019, para 397 comercializadas no mesmo período de 2020. Nessa mesma base de comparação, foram lançadas 223 unidades habitacionais de janeiro a agosto deste ano; no mesmo período do ano passado, foram 159.

Exemplo do crescimento desse segmento é a PHV Engenharia, especializada em alto padrão, que tem obtido resultados positivos durante a pandemia: a construtora registrou venda maior que a média dos últimos três anos. O diretor técnico da PHV Engenharia, Marcos Paulo Alves, avalia que existe uma demanda reprimida para o segmento de luxo, o que impulsionou as vendas mesmo diante da pandemia. “Além disso, é visível o aumento no preço dos imóveis, que deve ocorrer nos próximos anos. Não estamos falando de aumento de preço com índices médios de correção, mas com picos, como ocorre ciclicamente no mercado imobiliário e não é percebido há quase 10 anos”, avalia.

Outros fatores que têm impulsionado o segmento de alto padrão, segundo ele, são a queda na taxa básica de juros ao menor patamar da história e a diminuição dos estoques de imóveis com esse perfil. “Sem dúvida, eles provocaram a inevitável valorização dos produtos de alto padrão e, consequentemente, o aumento na procura”, explica Alves.

Entre os empreendimentos de destaque da PHV, está o Quatro Ventos, localizado no bairro Jardim da Torre, nos limites de Belo Horizonte e Nova Lima. O residencial, já em fase final e sucesso de vendas da construtora, tem apartamentos de 750 metros quadrados de área privativa, nove vagas de garagem por unidade, estacionamento para dois carros dentro da própria sala, heliponto no prédio, além de todas as comodidades de um empreendimento de alto luxo. “Cada detalhe foi pensado para oferecer o máximo de exclusividade ao morador”, declara. O mercado está tão promissor que a construtora já se prepara para lançar, em breve, dois empreendimentos: o Unique e o Quatro Estações. 

O diretor técnico da PHV diz que, além de conforto e espaço, a construtora é sempre criteriosa na definição de terrenos e desenvolvimento dos projetos. “Para qualquer imóvel, a localização é o principal fator de valorização, mas, em imóveis de alto padrão, é tudo. Assim, ao anteciparmos na aquisição dos terrenos e desenvolvimento dos projetos, conseguimos caminhar no fluxo certo dentro do ciclo do mercado imobiliário”, destaca. “Com certeza, existe uma demanda reprimida para este segmento de luxo”, afirma.

Na avaliação de Leonardo Matos, diretor da CMI/Secovi-MG (Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais), o que mais atrai investimentos à indústria dos imóveis de luxo é o potencial de agregação de valor ao empreendimento. “Esse mercado dificilmente se abala por crises, porque é composto por pessoas que já têm uma condição econômica muito privilegiada e estão à procura de algo que atenda melhor suas necessidades, seja uma varanda melhor ou um imóvel maior”, argumenta.

Tags, , ,

Credihome recebe aval do BC para oferta direta de crédito imobiliário

A Credihome, plataforma online de soluções de crédito para compradores e proprietários de imóveis, recebeu a autorização pelo Banco Central (BC) para atuar como Sociedade de Crédito Direta (SCD), aval que credencia fintechs a operar diretamente produtos de crédito. A licença é um marco para a proptech de pouco mais de 2 anos de existência que, com isso, ganha autonomia e mais agilidade para inovar na oferta de empréstimos diretos, complementando assim a sua ampla oferta multi-banco.

“A SCD nos eleva a outro patamar, com o peso de um ‘carimbo’ de confiança do Banco Central, após amplo processo de auditorias, análises do modelo de negócio e capacidade de execução atestadas para conquistarmos o credenciamento. Com a SCD, viramos uma fintech de fato ao conseguir emitir os financiamentos que oferecemos dentro de casa”, explica Bruno Gama, CEO da Credihome.

Num primeiro momento, a Credihome fará somente as operações de financiamento imobiliário para aquisição de imóveis e home equity (crédito com garantia imobiliária), porém está habilitada a realizar também serviços de análise e cobrança de crédito para terceiros, além de poder emitir moeda eletrônica.

Criada em 2018, a Credihome é uma investida da Finvest, holding especialista em investimentos alternativos de crédito e imobiliário, por trás de negócios consagrados como Rio Bravo, RB Capital e Captalys. “Sempre acreditamos no crédito imobiliário como um vetor importante para economia, seja no acesso à aquisição ou como instrumento financeiro. Vimos na Credihome um potencial disruptivo muito grande e poder transformador para ir além de um marketplace e trazer alternativas ao público, preenchendo gargalos reais desse mercado, que agora ganha novo impulso após a SCD”, afirma Luis Cláudio Garcia de Souza, fundador da Finvest e co-fundador da Credihome.

Apesar do histórico recente, a startup de crédito já acumula números impressionantes: até o final de setembro, foram R﹩ 750 milhões em crédito imobiliário originado no marketplace da plataforma em 2020, 292% maior que em relação a igual período de 2019. Ao longo do ano, foram mais de R﹩ 40 bilhões em demanda capturada pela plataforma sob forma de leads gerados digitalmente e através da sua rede de mais de 7000 parceiros.

“Além de economizar com o serviço de bancarização que hoje é feito através de um terceiro, vamos ganhar principalmente agilidade no lançamento de novos tipos de financiamento, voltados a segmentos específicos, e no processamento e emissão dos contratos de financiamento a aquisição de imóveis e de home equity”, diz Gama.

Tags, ,

Moradia do futuro: Três tendências de habitação que serão antecipadas devido à pandemia

A pandemia definitivamente contribuiu para acelerar mudanças de hábitos de consumo e de comportamento do mundo inteiro e não será diferente no mercado imobiliário. As empresas precisarão reinventar produtos e serviços para atender um novo consumidor que nasceu junto com a pandemia.

Por isso, o Projeto “Moradia no Mundo Pós Pandemia”, elencou três tendências de habitação impulsionadas pela Covid-19, que talvez acontecessem daqui a cinco ou 10 anos, mas já vem se tornando realidade. Vale destacar o movimento dos “sem casa”, pessoas que já não cultivam o sonho morada própria e preferem ter diversos tetos flutuantes, pagando uma assinatura mensal, como um Netflix.

Prova disso é que de acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais Políticas e Econômicas (IPESPE) em agosto deste ano, 80% dos jovens, entre 16 e 24 anos, já admitem não se importarem com a compra de um imóvel. Mais de 50% das pessoas acima de 60 anos também dizem querer ter mais liberdade para morar.

Segundo Gesner de Oliveira, economista e professor da FGV, o avanço das novas tecnologias e sua aplicação na prestação de serviços – como aplicativos de viagens individuais, vídeos por streaming, entre outros -, indicam uma tendência da substituição do “ter” para o “usar”.

“Tais desenvolvimentos levaram a novas concepções de moradia como o coliving e a multifamily properties, estendendo ao mercado imobiliário o conceito de ‘usar’ em vez de ‘ter’. Tornou-se possível pensar em um ‘Netflix da moradia’”, avalia o especialista.

Confira abaixo as principais tendências:

1. Moradia como serviço

Assim como os aplicativos de carros deram uma maior autonomia de escolha para as pessoas se locomoverem pela cidade, pagando um preço acessível, a moradia como serviço é uma tendência que já existe, mas que certamente será impulsionada devido à crise imposta pela pandemia.

A “Economia do Compartilhamento” aplicada à moradia é uma realidade crescente entre os jovens, que já compartilham de tudo. “Diferente de gerações anteriores, lares não são mais os mesmos investimentos sentimentais que costumavam ser”, afirma Shawn Amsler, professor e especialista em mercado imobiliário da Faculdade de Columbia.

Atualmente, a Housi, startup de moradia por assinatura, já adota este modelo no Brasil. Com o propósito de ser a ‘Netflix imobiliária’, a empresa aposta diretamente na moradia on demand e por isso oferece uma plataforma digital para locação 100% digital, com imóveis mobiliados e com diversos serviços e facilidades agregados, dentre eles, limpeza semanal e pay-per-view.

2. Multifamily Properties

O mercado imobiliário brasileiro está recebendo também uma forma de investimento bastante comum nos EUA: os multifamily properties .

Ao invés do que acontece hoje, onde cada apartamento tem um pequeno investidor como dono (o locador), cria-se um complexo de apartamentos ou casas, cujas unidades pertencem todas a uma espécie de holding.

Com um único dono, a gestão das unidades é centralizada. Ou seja, todos os moradores do complexo são inquilinos. A operação de locação é tocada como um negócio profissional, com um modelo de operação que visa reduzir custos e simplificar as decisões de investimento na propriedade.

Isso já acontece em shoppings centers, onde o “dono” decide as regras do empreendimento, sem necessitar de qualquer reunião condominial. A diferença é que enquanto os shoppings são focados em comércio, o multifamily property é destinado a residências.

A pesquisa do Ipespe destaca algumas oportunidades semelhantes no Brasil, em que os investidores podem estar de olho. Quando se perguntou sobre o desejo por prédios adequados com a fase da vida, a opção para famílias pequenas e casais surge em 41% das citações, seguidos por perfis misturados (40%) e imóveis específicos para aposentados e idosos (24%).

“Modelos de investimento como o multifamily properties são rentáveis e significam um menor custo de transação em comparação ao aluguel tradicional”, explica o professor da FGV, Gesner de Oliveira.

3. Coliving

A falta de espaços físicos nas grandes cidades já é uma realidade. Como alternativa, surge uma tendência que pretende derrubar, além de paredes, os ideais de individualização e desperdício. Trata-se do coliving, um movimento que estimula a integração, a sustentabilidade e a colaboração entre os indivíduos.

Apesar de ser bastante comum na Europa e América, os colivings desembarcaram no Brasil há menos de cinco anos e ainda não despontaram. Por conta da pandemia, estima-se que existirá uma aceleração neste tipo de empreendimento.

incapacidade de formular soluções para prover serviços eficientes de moradia e não necessariamente unidades adicionais”, conclui Oliveira.

Sobre o projeto “Moradia no Pós-Pandemia”

O Projeto “Moradia no Mundo Pós Pandemia”, foi lançado no início de setembro, como um think tank da habitação. Na ocasião reuniu especialistas no Brasil e EUA, como Gesner Oliveira, doutor em economia e professor da Fundação Getúlio Vargas, Pedro Rivera e Shawn Amsler, ambos professores da Columbia University, e Ben Ross Schneider, professor do MIT, além de Alexandre Frankel, CEO da Housi.

Os desdobramentos desse encontro virtual resultou em uma websérie ,, homônima do projeto, e na produção do livro “Como viver em um mundo sem casa”, a ser lançado no final do mês com os estudos dos especialistas, além da participação de personagens famosos e anônimos.

Tags,

QuintoAndar: proprietários estão mais abertos a negociar IGP-M por conta da pandemia

O índice Geral de Preço Mercado (IGP-M) segue em disparada e preocupa quem mora em casa de aluguel. Os últimos dados divulgados mostram uma alta de 4,34%, contra 2,74% em agosto. Observando o aumento crescente do Índice e a instabilidade causada pela a pandemia, o QuintoAndar, plataforma imobiliária com mais de R$ 30 bilhões em ativos sob gestão, iniciou uma força tarefa para auxiliar inquilinos a negociar com proprietários o valor do aluguel e a própria aplicação do IGP-M. A ação foi bem recebida e, desde abril, mais de 6.100 proprietários aceitaram negociar mudanças na aplicação do IGP-M para inquilinos.

O contexto de pandemia foi o principal fator para que os proprietários estivessem abertos para uma negociação, já que muitas famílias tiveram a renda reduzida. Para Jonas Marchetti, Diretor de Crédito do QuintoAndar, a melhor abordagem é ser transparente e deixar claro a intenção do reajuste para o proprietário. “Isso ajuda a deixar claro que a ideia é manter o aluguel em dia e evitar qualquer tipo de problema”, explica Jonas.

Mas vale ter em mente que a renda do dono do imóvel pode depender diretamente do aluguel e, por isso, nem sempre ele poderá abrir mão totalmente de um aumento. Nesse caso, o ideal é tentar chegar a um meio termo que seja viável para ambos.

Para 51%, ter wifi disponível em todo o prédio é fundamental na hora de comprar um imóvel

Cada vez mais a tecnologia está presente na vida das pessoas. Os avanços e comodidade que a tecnologia oferece começa a ser percebida como aspecto importante na hora de comprar um imóvel. Um estudo exclusivo realizado pela DataZAP, braço de inteligência imobiliária do Grupo ZAP, revela que para 51% das pessoas que querem comprar um imóvel, ter wifi disponível em todo o prédio é um aspecto altamente importante.

A pesquisa também que, em segundo, aparece tomadas USB nos imóveis e nas áreas comuns com 42%. Em terceiro, com 40%, fechadura eletrônica ou digital no imóvel está na terceira posição. Além disso, seguem como aspectos importantes: automação dos ambientes da casa (smart home) com 32%, seguido de portaria virtual (31%) e tomadas para carros elétricos (22%).

“A tecnologia estará cada vez mais presente nos imóveis. É importante, na construção de empreendimento, ter essa atenção para aspectos tecnológicos que, sem dúvida, vão fazer a diferença na hora de comprar um imóvel. A tecnologia caminha para ser um dos fatores decisivos na hora de comprar um imóvel”, explica Deborah Seabra, economista do Grupo ZAP.

A pesquisa foi realizada com 861 pessoas das capitais e regiões metropolitanas do Brasil.

Tags, , , ,

Para 60%, é o melhor momento para comprar um imóvel no país

Em um contexto de crise econômica, isolamento social e queda de consumo, o mercado imobiliário tem sentido menos os impactos quando comparado aos de outros setores. Isso porque, um estudo exclusivo realizado pela DataZAP, braço de inteligência imobiliária do Grupo ZAP, mostra que para 60% dos entrevistados é melhor momento para comprar um imóvel. Os três principais motivos são: preços bons (19%), taxas de juros baixas (13%) e mais oferta no mercado (10%). A pesquisa foi realizada com 700 entrevistados de todo o país.


Já 37% acreditam que não é o momento ideal para adquirir um imóvel. As justificativas são: incerteza política ou econômica (27%), crise do COVID-19 (25%) e instabilidade financeira pessoal (8%).

“Com incentivos como taxas de juros mais baixas e iniciativas tecnológicas do setor mantiveram o setor aquecido. O mercado imobiliário reagiu bem ao momento de pandemia, mais estímulos do governo, fez com que hoje diversas pessoas possam comprar sua casa ou adquirir um imóvel para investimento”, explica Deborah Seabra, economista do Grupo ZAP.

O estudo mostra que dos que desejam comprar, 92% é para moradia e 8% para investimento. “Interessante ver que os dados também mostram, depois de 24 meses da aquisição, 82% pretende transacionar o imóvel novamente e 18% deixará para herança”, ressalta.

O tipo de imóvel aparece apartamento em primeiro, com 49%, seguido de Casa de rua ou vila (28%), Casa em condomínio (15%), Studio e Kitnet (2%) e outras tipologias com 5%.

Tags, , ,

Auxiliadora Predial e APSA promovem o congresso virtual “Condo Tech – Transformação Digital na Gestão de Condomínios”

Nos dias 27, 28 e 29 de outubro, acontece o I congresso virtual “Condo Tech – Transformação Digital na Gestão de Condomínios”, que reunirá cases e conhecimentos de executivos e convidados das duas maiores empresas em gestão de condomínios do país, a Auxiliadora Predial, que administra 3400 condomínios, em São Paulo e Porto Alegre e a APSA, com 3000 condomínios, em sete estados, e maior presença no Rio de Janeiro.

O objetivo do evento é compartilhar informações, para isso estarão presentes alguns dos mais importantes especialistas em inovação na gestão de condomínios e em transformação digital. Em pauta, o presente e o futuro, incluindo as mudanças que a pandemia do novo coronavírus acentuou e as perspectivas na administração dos condomínios, considerando o novo ambiente digital e suas tecnologias, sob a ótica da convivência, aspectos jurídicos, gestão e comunicação. Também serão abordadas as adequações necessárias para os condomínios se adaptarem às exigências da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A abertura do evento será no dia 27 de outubro, às 17h, com participação internacional de Pepe Gutierres, um dos maiores gestores de propriedades do mundo e CEO da empresa espanhola Megafincas. As palestras ocorrerão a partir das 19h30. Nos dois primeiros dias trazem conteúdos para síndicos. No último dia, é a vez dos moradores contarem com dicas preciosas de convivência.

Entre os palestrantes já confirmados estão nomes como João Finamor (ESPM) e Gabriela Macedo (Advogada, professora e influencer digital), na área de Comunicação; os advogados André Junqueira, Elias Rodrigues, Juliana Tancredo e Blanca Peres (Jurídico); os executivos Edgar Poschetzky e Eduardo Córdova (APSA e Market4U), na área de Gestão; Angelita Feijó (professora ESPM), e as executivas Rosane Diaz e Vanusa Vieira (Auxiliadora Predial e APSA), sobre Convivência. Outro destaque é a apresentação de projetos inovadores nos condomínios, como o de lavanderias compartilhadas da OMO e de mercados da startup Market4u.

“O novo cenário, com intenso uso de tecnologias para acelerar as realizações no dia-a-dia e gerir as pessoas e seus desejos e necessidades, exige de moradores e síndicos conhecimento e desenvolvimento de novas habilidades. Temos a geração de conteúdo em nosso DNA, isto nos motiva a mais esta iniciativa”, diz o presidente da APSA, Fernando Schneider.

“Compartilhar com responsabilidade, agilidade, precisão e de forma inovadora são fundamentais em todas as áreas. O nosso objetivo com esse evento é trocar conhecimento de forma acessível, democrática e sem fronteiras e também conhecer dúvidas e demandas dos síndicos, afinal, também
aprendemos quando conhecemos outras experiências”, complementa o CEO da Auxiliadora Predial, Ingo Voelcker.

A inscrição é gratuita e pode ser feita a partir do dia 05 de outubro, pelo site http://www.condotech.imb.br/

Para realizar o cadastro, basta informar nome, CPF, telefone, cidade e email.
Abertura
27/10/2020 – 17h às 19h – A transformação digital chegou aos Condomínios. E agora? – Pepe Gutierres, um dos maiores gestores de propriedades do mundo e CEO da empresa espanhola Megafincas

Hub de Comunicação

28/10/2020 – 16h às 17h – Potencializando a comunicação do (a) Síndico(a) no ambiente digital – João Finamor – Professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)

28/10/2020 – 17h às 17h30 – Potencializando a comunicação do (a) Síndico(a) no ambiente digital – Gabriela Macedo – Advogada, Professora, Empreendedora e Influencer digital

Hub Jurídico

28/10/2020 – 19h às 19h30 – Universo digital: as questões jurídicas das novas soluções para Condomínios – Dr. Elias Rodrigues – Especialista em direito imobiliário

28/10/2020 – 19h30 às 20h – Universo digital: as questões jurídicas das novas soluções para Condomínios. Dr. André Junqueira – Especialista em direito condominial.

28/10/2020 – 20h às 21h – Como a Lei de Proteção de Dados vai afetar a gestão do seu Condomínio – Dra. Juliana Tancredo – Advogada na APSA e Dra. Grazielly Tomatis Ribas, Especialista em direito condominial

Hub Administração Digital

29/10/2020 – 16h às 17h- Ferramentas digitais que facilitam a Gestão do Condomínio – Edgar Poschetzky, Gerente Geral de Condomínios Clubes e Corporates da APSA

29/10/2020 – 17h às 17h20min – Case Market4u – Eduardo Córdova, CEO de planejamento estratégico no Market4U

29/10/2020 – 17h20 às 17h40 – Case Omo – Allan Zylberstajn, Diretor Comercial e de Expansão OMO

Convivência em Condomínios

29/10/2020 – 19h às 20h – Conexões mais humanizadas no Condomínio. É possível? – Angelita Feijó – professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)

29/10/2020 – 20h às 20h20 – Conexões mais humanizadas no Condomínio. É possível? Rosane Diaz – Gerente de Gestão de Condomínios na Auxiliadora Predial

29/10/2020 – 20h20 às 20h40min – Conexões mais humanizadas no Condomínio. É possível? – Vanusa Vieira – Executiva especialista em condomínios Clube na APSA e especialista em facilities

Encerramento do evento
29/10/2020 – 20h40min – Administração condominial no século XXI: Legado, presente e futuro! – Fernando Schneider, Diretor-Superintendente APSA e Vice- presidente ABADI e Ingo Voelcker, Diretor Presidente da Auxiliadora Predial e Conselheiro Administrativo do Secovi/RS

Tags, , , ,

Ekko Group reestrutura marca para aprofundar a experiência do consumidor

As mudanças que o mundo vivencia pauta as transformações das empresas. Ao longo de décadas, ideias e valores se transmutam na velocidade em que a tecnologia hoje direciona a inovação. Completando 21 anos de trajetória no mercado imobiliário brasileiro neste mês, a Ekko Group se prepara para viver um desses momentos e, para marcá-lo, anuncia um rebranding em sua marca e em seu posicionamento.

Antenada às mudanças do comportamento do consumidor – que priorizam o relacionamento com empresas cujos valores e ideias sejam parecidos com os seus -, define o novo posicionamento da Ekko Group. Afinal, a marca busca estar mais próxima da vida das pessoas. “Queremos marcar presença em todos os momentos, acompanhando o nosso público em todas as etapas da vida”, explica Diego Dias, CEO da Ekko.

E, para estar sempre presente, a marca quer compartilhar sua visão de mundo por meio de experiências transformadoras de vidas, gerando valores para pessoas e negócios. “A transformação na vida dos clientes não pode ser apenas pela mudança física de endereço, mas, sim, pelas experiências que criamos, ou seja, transformação pelos sentidos, sejam elas relacionadas aos nossos produtos ou em ações”, explica Diego.

Com um VGV (Vendas Geral de Vendas) de lançamentos em curva ascendente, assim como o volume de vendas, um landbank robusto e a preparação para ingressar em novas linhas de negócios nos próximos meses – “nosso objetivo é trabalhar almejando um cenário futuro de internacionalização da marca”, aponta Diego. “Tudo isso sem abrir mão de nossos valores, como Simplicidade, Transparência, Respeito, União, Formação e Visão de Dono”.

Ainda sobre o novo posicionamento, que pode ser considerado uma ressignificação da marca, a Ekko Group tem uma grande preocupação e quer gerar impacto social, enfatizando seu compromisso com o entorno de seus empreendimentos. “A experiência não envolve somente os clientes Ekko, mas também quem está à nossa volta”, aponta.
Entre alguns exemplos que se pode destacar como uma ação efetiva dessa ressignificação da marca, está a criação de um braço importante para o Grupo: a Ekko ONG – fundada há menos de um ano, pretende promover reformas em instituições de apoio a idosos e crianças carentes. “Queremos construir um ecossistema que possa contribuir para a transformação da sociedade como um todo. Isso significa promover a transformação daqueles que fizeram muito por nós no passado e por aqueles que farão no futuro”, aponta o CEO.

A Ekko Group destina uma porcentagem dos resultados da holding para essas iniciativas que fazem a diferença para a sociedade. “Nossa missão é impactar o mundo. Queremos ser agentes de inovação e ajudar a contar a história da habitação no Brasil” – conclui o CEO da Ekko.

Tags,

Preço médio do aluguel residencial tem nova queda em setembro

■ Análise do último mês: o Índice FipeZap de Locação Residencial, que acompanha o comportamento do preço médio do aluguel de apartamentos prontos, encerrou setembro com queda para 0,31% – o quarto resultado negativo consecutivo. A última variação foi inferior à inflação registrada tanto pelo IPCA/IBGE (+0,64%) quanto pelo IGP-M/FGV (+4,78%), resultando em uma queda real do preço médio do aluguel residencial. No último mês, em particular, o comportamento negativo foi observado na maior parte das capitais brasileiras monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, destacando-se: Fortaleza (-1,17%), Salvador (-1,11%), Florianópolis (-0,97%), Curitiba (-0,59%), São Paulo (-0,55%) e Porto Alegre (-0,33%). Em contraste, apenas duas capitais apresentaram elevação no preço médio: Brasília (+0,61%) e Recife (+0,30%).

■ Balanço parcial de 2020: com o quarto recuo consecutivo no preço médio dos imóveis, o Índice FipeZap de Locação Residencial reduziu o avanço acumulado no ano para 2,13% – variação que, quando comparada à inflação medida pelo IPCA/IBGE no período (+1,34%), resulta em uma alta real de 0,78%. Vale mencionar, por outro lado, que a variação acumulada do Índice FipeZap de Locação Residencial até setembro de 2020 encontra-se abaixo do IGP-M (FGV) acumulado no mesmo período (+14,40%).

■ Análise dos últimos 12 meses: com o retrospecto recente de resultados negativos, o Índice FipeZap de Locação Residencial reduziu a alta acumulada nos últimos 12 meses para 3,20% – percentual ligeiramente superior à inflação ao consumidor medida pelo IPCA/IBGE (+3,14%), mas inferior à variação acumulada do IGP-M/FGV (+17,94%). À exceção de Fortaleza, onde o Índice FipeZap de Locação Residencial registra ligeira queda 0,99%, e de Salvador, com recuo de 0,34%, as demais capitais monitoradas ainda registram elevação nominal de preço em 12 meses, ordenadas da maior à menor variação da seguinte forma: Recife (+9,50%), Brasília (+8,87%), Belo Horizonte (+8,39%), Goiânia (+5,62%), Porto Alegre (+4,47%), Florianópolis (+3,28%), Curitiba (+2,52%), São Paulo (+2,45%) e Rio de Janeiro (+0,43%).

■ Preço médio de locação residencial: com base em dados de todas as 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, o preço médio do aluguel encerrou o mês de setembro de 2020 em R$ 30,40/m². Entre as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço médio de locação residencial mais elevado (R$ 40,34/m²), seguida pelos valores médios registrados em Brasília (R$ 32,53/m²), Recife (R$ 30,73/m²) e Rio de Janeiro (R$ 30,42/m²). Já entre as capitais com menor valor de locação residencial no mês de maio, destacaram-se: Fortaleza (R$ 17,09/m²), Goiânia (R$ 17,70/m²), Curitiba (R$ 20,69/m²) e Salvador (R$ 23,65/m²).

■ Rentabilidade do aluguel: a razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis é uma medida de rentabilidade (rental yield) para o investidor que opta em adquirir o imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel ao longo do tempo. Nesse sentido, o indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções disponíveis aos investidores a cada momento do tempo. Impondo ligeira alta frente ao percentual calculado há um ano (4,64%), o retorno médio do aluguel residencial (anualizado) encerrou em setembro de 2020 em 4,74% (alta de 0,10 ponto percentual em 12 meses), superando nesse horizonte a rentabilidade média projetada de aplicações financeiras de referência.

Tags, , ,