Category Archive mercado imobiliário

Apto faz “esquenta” para Black Week do mercado imobiliário

Apto, plataforma que conecta potenciais compradores de imóveis novos a construtoras e empreendimentos em todo o Brasil, vai promover a partir do dia 14 de outubro, o “Esquenta” Black Week, que tem como objetivo identificar potenciais compradores que estejam aguardando o período de promoções da Black Friday, em novembro, para comprar um imóvel novo. A ação será realizada por meio de um site, que terá um cronômetro com contagem regressiva para a maior semana de descontos em imóveis novos do mercado imobiliário.

Para participar basta acessar a página e preencher alguns dados como nome, e-mail e região de interesse. “Esse público receberá em primeira mão as melhores ofertas da Black Week que vamos fazer entre os dias 23 e 29 de novembro. Além disso, enviaremos uma série de informações e dicas para facilitar o processo de compra”, explica Alex Reis, gerente de marketing do Apto.

A ação vai contar com algumas construtoras de renome no portfólio, como Eztec, Econ, Even, Exkalla, Saint Marti e Vegus; e assim, busca atrair aquelas pessoas que já estão procurando apartamentos e que querem aproveitar promoções. “No geral, as pessoas aproveitam a Black Friday para buscar produtos de consumo ou eletrônicos e queremos trazer essa data para a realidade do mercado imobiliário. Sabemos que comprar um apartamento exige planejamento e é um processo mais delicado do que esses outros produtos, por isso criamos essa campanha antecipada, que vai ajudar as pessoas a se organizarem e até saberem antes das ofertas”, finaliza Alex.

Serviço – Esquenta Black Week
Quando: a partir do dia 14 de outubro
Onde: no site da ação
Cadastro é gratuito

Tags, , ,

Desejo de morar bem acelera negociação remota de imóveis

Considerado atividade essencial na pandemia, o setor de construção civil seguiu seu planejamento na quarentena e tem sido responsável por significativa fatia do giro econômico do País em 2020. Contudo, foi preciso adequar-se para garantir o baixo risco de contágio do coronavírus, principalmente o setor de vendas. Por um bom tempo sem atendimento presencial nos estandes e sem visitas aos decorados, as construtoras se apressaram em apresentar alternativas para continuarem oferecendo e vendendo os imóveis. Afinal, a busca por lares confortáveis só cresce.

De acordo com Presidente da Habicamp, Francisco de Oliveira Lima Filho, as pessoas passaram a investir em imóveis porque se deram conta da importância de morar com qualidade neste momento em que passaram a maior parte do tempo em casa. “Vale lembrar que Campinas está no eixo de cidades mais procuradas para viver pós-pandemia. Por isso, essa área ganha ainda mais destaque”, afirma.

A Plaenge aproveitou o isolamento para rever processos, revisitar temas importantes que estavam de lado e ter um olhar melhor para os seus produtos. Presente nas redes sociais, telefone, site e aplicativo, a construtora responde aos clientes que mantém o afastamento social de maneira totalmente digital. O atendimento é exclusivo e permite que boletos, extratos, demonstrativo de imposto de renda e plantas do apartamento sejam entregues de maneira rápida e automatizada. A assinatura do contrato também ocorre remotamente.

Antenada e de vanguarda

“Rapidamente nós desenvolvemos um leque muito grande para atendimento digital dos clientes. Nós conseguimos ir da apresentação do apartamento até a assinatura de contrato à distância, sem a pessoa nunca ter entrado no estande de vendas. São reinvenções da Plaenge e do mercado como um todo. Quem entendeu esse momento e se adaptou sai fortalecido”, explica Daniel Turchetti, responsável pela construtora em Campinas.

A pandemia não adiou o projeto do casal Fernando e Caroline Cavalera – ele engenheiro e ela publicitária – que comprou um apartamento na planta no Vitra, primeiro empreendimento da Plaenge em Campinas, em um trâmite inteiramente online. Fernando conta que a família, que tem um bebê de quase 2 anos, buscava um imóvel no bairro Cambuí e que o apartamento no Vitra se encaixou exatamente com o planejamento pessoal. “Por conta do isolamento social, o deslocamento até o estande de vendas estava descartado por nós. Fizemos muitas pesquisas, tanto de modelo e tamanho, quando de idoneidade da construtora, e em uma semana assinamos o contrato virtualmente”, lembra.

Mais novidades

O apartamento do Fernando e da Caroline foi um dos últimos a serem comprados no Vitra, que levou apenas um ano para ter 100% dos apartamentos vendidos. Mas quem ficou de fora desse exemplar da maior construtora do Sul do País em Campinas, já pode ter seu próprio “porto seguro”. A Plaenge está lançando o TREND Home & Design, outra belíssima torre residencial no Cambuí que tem tudo e mais um pouco para encantar os pretendentes mais exigentes.

No endereço Rua Dr. Liraucio Gomes, 119, o TREND Home & Design, com 17 andares, mescla a tranquilidade da rua às facilidades que a região oferece.

Turchetti destaca a flexibilidade da planta do apartamento, que embora tenha o mesmo tamanho (89 m2), apresenta ao menos cinco layouts, que os compradores poderão escolher conforme as preferências da família. Outro diferencial é que todos os apartamentos serão entregues já com a varanda fechada. O TREND tem ainda duas penthouses, de 196 m² cada uma, que também exibem versões diferentes de planta.

O prédio promete se destacar na paisagem. Turchetti adianta que, além de uma grande quantidade de vidro, o projeto do TREND Home & Design possui porcelanato na fachada e uma iluminação em LED, proporcionando um design inconfundível para o bairro. “O visual do empreendimento será uma verdadeira gentileza urbana e vai valorizar ainda mais a região”, ressalta.

As garagens são um dos pontos fortes da torre e ocupam três pavimentos. São duas vagas por apartamento tipo e quatro vagas para as duas penthouses. Turchetti salienta que o projeto do estacionamento foi feito pela Garage Plan, empresa especializada. O piso terá a pintura em epóxi e iluminação em LED nas paredes. Além disso há infraestrutura para carregamento de carro elétrico para todos os apartamentos.

Como não poderia deixar de ser, o TREND Home & Design é repleto de itens tecnológicos e sustentáveis. Fechadura digital na porta de entrada, placas fotovoltaicas para gerar energia solar, Central de Delivery para recebimento de encomendas – inclusive refrigeradas – estão entre as inovações.

A área de lazer é completa e decorada com móveis de designers e artistas plásticos brasileiros. Todas as áreas comuns são climatizadas e completamente equipadas. À disposição dos moradores estão home office compartilhado; salão de festas com gourmet e terraço externo; academia com 133m2, com projeto feito por especialistas; brinquedoteca; playground, pet place, lounge externo e piscinas adulto com raia de 20 metros, infantil e prainha.

Quem quiser ter uma ideia do que é o projeto vislumbrando presencialmente a maquete e o decorado, pode visitar a central da Plaenge no endereço Rua Maria Monteiro, 652, Cambuí.

Com VGV de aproximadamente R$ 60 milhões, o novo empreendimento da Plaenge possui seguro de entrega e deve abrir em torno de 120 vagas diretas de emprego durante a obra. O projeto é da SHM, com interiores da Bohrer. A previsão de entrega dos apartamentos é 30 de setembro de 2023.

Tags, ,

Decoração Virtual ajuda a vender o imóvel com mais facilidade

O mercado imobiliário acelerou após a recessão econômica e muitos imóveis, novos ou usados estão sendo vendidos. Sabe-se que preparar uma casa que está em exposição é uma ferramenta de marketing que já é utilizada há décadas. E, uma demanda, que ficou comum, foi a de alugar móveis, obras de arte, plantas e decoração para ajudar os compradores a se imaginarem morando na casa.

Uma pesquisa da National Association of Realtors relata que 62% dos corretores de imóveis descobriram que casas encenadas ficam menos tempo disponíveis no mercado e aumentam o preço da venda, mas que a locação de móveis e objetos para decorar é cara e complicada, pois requer bom gosto e tempo para fazer do jeito certo.

Por isso, corretores de todo o mundo estão adotando a simulação virtual dos ambientes. É uma opção muito mais fácil e barata. Observando o mercado, Leonardo Bartz, fundador do marketplace de arquitetura e designers 3D, FullFreela, resolveu investir no ramo e criou o Decorado Virtual.

“Estudei bastante essa tendência e enxerguei que tem tudo para bombar no Brasil. Hoje, a maioria das pessoas está olhando fotos online e ter um ambiente decorado ajuda na visualização da casa que ela pode comprar”, afirma Bartz.

O empresário explica que ao fornecer uma imagem de uma sala vazia a um serviço de encenação virtual que aprimora digitalmente com um sofá da moda e obras de arte cuidadosamente colocadas, os agentes e proprietários evitam o incômodo de trazer um visual totalmente novo. “Se o corretor de imóveis fosse mobiliar o ambiente completo, alugando os móveis, ele gastaria no mínimo R﹩ 12 mil reais. O Decorado Virtual custa, a partir de R﹩ 349 o ambiente e a visualização é até melhor”, complementa.

Leonardo também aponta as inúmeras opções que os vendedores têm a disposição na hora de fazer a decoração virtual. “O corretor de imóveis pode fazer escolher o que ele quer, como, por exemplo, pintar as paredes, o chão, mudar as luminárias, colorir armários e muito mais”, explica.

A meta é automatizar grande parte do processo e gerar escala para portais de imóveis, corretores e imobiliárias. Ano que vem queremos entregar mais de mil imagens por mês, quando o processo de automação tiver sido concluído.

A pandemia foi um dos fatores que fez o empresário querer trazer esse modelo de negócio para o Brasil e ele acredita que os corretores de imóveis independentes, grandes empresas e até construtoras vão perceber que a Decoração Virtual é mais atraente no curto prazo e econômica no longo prazo.

“Ao contrário da encenação física, que pode levar semanas para ser concluída, a decoração virtual precisa de algumas horas, dependendo da complexidade do projeto. Então, é possível fazer mais cenários em menos tempo e, todos sabem que, no mercado imobiliário, tempo é dinheiro”, finaliza Bartz.

Tags, , ,

Caixa reduz juros. Carteira imobiliária do banco atinge R$ 500 bi

A CAIXA, líder na concessão de financiamento para casa própria com 69% do crédito imobiliário do país, atinge em outubro a marca histórica de R$ 500 bilhões de carteira nessa modalidade de empréstimo. O número recorde foi anunciado pelo presidente do banco, Pedro Guimarães, em live com os jornalistas nesta quarta-feira (14/10), quando também divulgou mais cinco medidas da CAIXA para estímulo ao setor.

De acordo com o presidente, a CAIXA já tinha registrado em julho deste ano o maior volume mensal de crédito imobiliário desde 2017. Segundo ele, “a CAIXA, banco da habitação e de todos os brasileiros, vem demostrando com números positivos que é possível ajudar o povo brasileiro e crescer de forma sustentável ao mesmo tempo”. “Divulgamos hoje essa marca histórica de meio trilhão de reais na carteira de crédito imobiliário e ainda novas medidas que ajudarão a atenuar os efeitos da pandemia do Coronavírus na economia brasileira”, complementa.

O saldo da carteira de crédito habitacional da CAIXA cresceu 13,4% desde janeiro de 2019, quando totalizava R$ 441 bilhões.

Somente nesta gestão, desde o início do ano passado, foram concedidos R$ 172 bilhões em crédito imobiliário pela CAIXA, beneficiando 887 mil famílias e 2,8 milhões de pessoas.

No mesmo período, foram contratados 3,6 mil empreendimentos para a produção de 450 mil novas unidades habitacionais, gerando 1,2 milhão de empregos diretos e indiretos.

De janeiro de 2019 até agosto de 2020, a participação de mercado da CAIXA na contratação de financiamentos imobiliários com recursos do SBPE evoluiu de 24,8% para 44,9%.

As cinco medidas:

O novo pacote de ações poderá impactar 830 mil famílias, correspondendo a R$ 83 bilhões em recursos, entre novos negócios e negociação de contratos ativos. Confira as medidas:

  • Redução de taxas:

A CAIXA está reduzindo as taxas do crédito imobiliário para pessoas físicas, com recursos do SBPE. A linha de crédito indexada pela Taxa Referencial terá taxa mínima de TR + 6,25% e máxima de TR + 8,00%, queda de até 0,50 ponto percentual. Os clientes já podem acessar as novas taxas, que passam a valer a partir de 22/10 para novos financiamentos, no simulador habitacional da CAIXA. O banco estima conceder mais de R$ 14 bilhões em crédito imobiliário SBPE até o fim deste ano.

  • Prorrogação da carência:

A CAIXA vai prorrogar até o fim do ano a possibilidade de carência para início do pagamento das parcelas dos novos contratos imobiliários. Na aquisição de imóveis novos, os clientes pessoas físicas poderão iniciar o pagamento do encargo mensal, composto de juros e amortização, após seis meses da contratação. Nesse período, pagará seguros e taxa de administração do contrato.

Mais de 30 mil clientes podem ser beneficiados até o fim do ano.

  • Pagamento parcial da prestação:

Os mutuários que apresentem dificuldade para retomada do pagamento integral da prestação habitacional poderão optar pelo pagamento parcial. Conforme perfil, o cliente poderá pagar 75% da prestação, por até seis meses, ou entre 50% a 75% da prestação, por até três meses.

Mais de 620 mil clientes poderão ser beneficiados com a medida.

  • Feiras Online da Casa Própria:

A CAIXA promoverá a realização de feiras habitacionais online. O novo formato virtual atende às novas necessidades do cliente e do mercado.

O banco será o agente financeiro oficial dessas feiras, proporcionando aos clientes as melhores condições para a compra da casa própria.

  • Crédito habitacional 100% digital:

A partir de 19 de outubro, a CAIXA passa a oferecer a todos os clientes a possibilidade de contratar o financiamento imobiliário de forma 100% digital pelo aplicativo CAIXA Habitação. O processo é simples, ágil e transparente. O App está disponível para os sistemas operacionais Android e iOS e pode ser baixado gratuitamente nas lojas Google Play ou App Store. O cliente só precisará ir à agência para assinar o seu contrato.

Atualmente, 2,3 milhões de clientes acessam os serviços por meio do aplicativo. Entre janeiro e setembro de 2020, o App CAIXA Habitação registrou 326 mil transações diárias. Saiba mais sobre os serviços disponíveis clicando aqui.

Últimas medidas para o setor habitacional:

A CAIXA divulgou, nos últimos meses, diversas medidas para o setor imobiliário. De 2018 para cá, por exemplo, o banco reduziu em 2,5 pp a taxa de juros para a modalidade de crédito indexada pela Taxa Referencial (TR).

Em agosto de 2019, a CAIXA lançou, de forma pioneira, a modalidade de crédito imobiliário corrigido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que do seu lançamento até hoje já representa 27% dos novos financiamentos originados por pessoa física no SBPE e uma carteira de mais de R$ 10,6 bilhões. Uma das vantagens dessa linha de crédito é a possibilidade de comercialização da carteira no mercado secundário, gerando recursos para novos financiamentos, medida que está em estudo pelo banco. Em fevereiro de 2020, o banco também anunciou a nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa, mais uma alternativa para o cliente

Para auxiliar as economias familiares contra os impactos da pandemia, a CAIXA lançou no último mês de março a possibilidade de suspensão das parcelas do financiamento habitacional. Mais de 2,5 milhões de mutuários foram beneficiados pela pausa nas prestações.

O banco também possibilitou o prazo de carência de seis encargos para contratos de financiamento de imóveis novos e a renegociação de contratos com clientes em atraso entre 61 e 180 dias, permitindo a pausa das prestações.

Em julho, a CAIXA anunciou pacote de ações que trouxe a implementação do registro eletrônico para contratos vinculados a empreendimentos financiados pelo banco, medida que permitiu reduzir o tempo médio para o registro de operações de 45 para, em média, 5 dias úteis. Além disso, permitiu o financiamento de ITBI e custas cartorárias para pessoas físicas para imóveis com valor de avaliação de até R$ 1,5 milhão.

A CAIXA também retomou a linha de financiamento de Lote Urbanizado e a oferta de taxas de juros diferenciadas para modalidades de Construção Individual, ambas com funding SBPE e reajuste pela TR.

Outra medida importante foi a revitalização da operação de crédito para pessoas físicas, sem destinação específica, com garantia de imóveis residenciais e comerciais sem ônus (linha de home equity). Denominada Real Fácil CAIXA, a linha tem como principal vantagem a taxa de juros reduzida em comparação com outras modalidades de crédito pessoal.

Mais informações:

  • Aplicativo Habitação CAIXA – disponível para os sistemas operacionais Android e iOS (pode ser baixado gratuitamente na Google Play ou App Store);
  • 3004-1105 e 0800 726 0505 – disponíveis de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h;

0800 726 8068 – disponível de segunda a sexta-feira, em qualquer horário, e aos sábados, de 10h às 16h.

Fonte: CAIXA

Tags, ,

ABRAINC: São Paulo bate recorde com maior número de alvarás em 20 anos

O Indicador de Antecedente do Mercado Imobiliário (IAMI) da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), elaborado pela FIPE a partir de dados da Prefeitura de São Paulo, mostra que foram concedidos 973 alvarás para construção de novos empreendimentos verticais nos 12 meses encerrados em setembro. O número significou um novo recorde da série histórica iniciada em 2000. O indicador também registrou crescimento de 10,4% na comparação dos 12 meses encerrados em setembro com igual período anterior.

Os 973 alvarás concedidos pelo município de São Paulo nos últimos 12 meses têm potencial para gerar R$ 73 bilhões em investimentos ao longo da execução dos projetos. Nesse cenário, poderiam ser gerados até 1,7 milhão de postos de trabalho, considerando efeitos diretos, indiretos e induzidos.

“Os números consolidam a trajetória de expansão da construção civil na cidade de São Paulo, principal mercado imobiliário do país. Eles indicam que as incorporadoras confiam na retomada da atividade econômica e devem apostar em novos lançamentos”, afirma o presidente da Abrainc, Luiz Antonio França.

São considerados empreendimentos verticais projeto com quatro ou mais pavimentos, aqueles classificados como Habitação de Interesse Social (HIS), Habitação de Mercado Popular (HMP) e conjuntos residenciais horizontais (R2H-3).

Já no acumulado do ano, São Paulo concedeu 703 alvarás. Isso significou 10% a mais que o verificado no intervalo janeiro-setembro do ano passado, quando haviam sido 639 alvarás. O crescimento foi impulsionado pelo resultado positivo no terceiro trimestre, que envolveu 306 alvarás para novos empreendimentos verticais, após elevação de 9,7% em relação ao mesmo período de 2019.

Distribuição regional

A Zona Leste foi a região que mais teve alvarás liberados nos 12 meses encerrados em setembro, concentrando 46,4% do total concedidos na capital paulista. Seguida pela Zona Norte (23,0%), Zona Sul (15,6%), Zona Oeste (11,6%) e Centro (3,4%).

No terceiro trimestre deste ano, as regiões que mais contribuíram para a expansão da atividade construtiva foram: Zona Leste (47,1% do total), Zona Norte (21,6%), Zona Sul (17,6%), Zona Oeste (11,8%) e Centro (2,0%).

O indicador aponta ter havido crescimento do interesse imobiliário em 3 das 5 zonas da cidade de São Paulo nos últimos 12 meses, com destaque para Zona Norte, onde foi registrado avanço expressivo de 30,2% no volume de alvarás concedidos em relação aos 12 meses anteriores. Em seguida, o Centro (17,9%) e a Zona Leste (15,6%).

Na contramão desse movimento, observou-se queda no número de alvarás concedidos em 12 meses na Zona Oeste (-9,6%) e Zona Sul (-8,4%). Já na comparação do terceiro trimestre de 2019 e 2020, os avanços na atividade construtiva foram registrados na Zona Oeste (56,5%), Zona Norte (22,2%) e Zona Leste (9,9%). Enquanto Centro (-40,0%) e na Zona Sul (-11,5%) apresentaram queda.

Tags, , ,

Apto e Creditas fecham parceria para facilitar a troca de imóvel

Apto, plataforma que conecta potenciais compradores de imóveis novos a construtoras e empreendimentos em todo o Brasil, fechou uma parceria com a Creditas, principal plataforma 100% digital da América Latina, que usa tecnologia para viabilizar novas conquistas em todas as etapas da vida de seus clientes; que permite que o comprador (pessoa física) utilize o seu imóvel ou o seu veículo como garantia para conseguir crédito, assim, é possível comprar ou reformar um imóvel. E muito além disso, a partir dessa novidade, é possível também abrir um negócio, estudar, etc., com taxas de juros mais baixas, que começam a partir de 0,84% ao mês.

A parceria é uma forma de impedir que o proprietário de uma unidade deixe de aproveitar uma oportunidade, como um apartamento novo por um bom preço, porque não consegue vender o atual. Em alguns casos, a solução permite começar a pagar pelo empréstimo somente 12 meses após a contratação e em outros, é possível ter três meses de carência. Outro ponto importante é que os valores do crédito variam entre de R$5 mil a R$3 milhões e o prazo para pagar é em até 20 anos.

“Se olharmos para o mercado, a compra de um imóvel muitas vezes depende da venda do anterior e o produto chega justamente para sanar esse problema. Além disso, esse modelo oferece taxas de juros mais baixas, o que facilita ainda mais o negócio. A partir de agora queremos dar mais poder de compra para as pessoas e tornar o processo mais veloz”, analisa Alex Frachetta, CEO do Apto.

Muitas vezes, o empecilho para realizar o sonho de um novo imóvel pode ser a falta de crédito “em mãos” e essa parceria elimina essa fase. As unidades que são anunciados no Apto passam por uma trajetória média de 3 meses entre visita e compra – a média do mercado é de 6 meses -, com esse novo recurso, a startup pretende diminuir o tempo de espera para conclusão da venda, adiantando o sonho de um novo apartamento.

“Essa solução de empréstimo é boa para quem solicita, já que com um imóvel em garantia, existe uma diminuição nas taxas de juros, uma vez que temos a comprovação de que há capacidade de pagamento”, reflete o CEO do Apto.

Para a Creditas, a parceria colabora de forma assertiva para viabilizar novas conquistas das pessoas. “Nossa experiência com os produtos de crédito com garantia somada a rede do Apto é uma ótima oportunidade de estender um crédito com juros baixos a quem precisa de dinheiro, seja para trocar de um imóvel, investir na vida profissional ou até fazer uma viagem”, comenta Gustavo Pagotto, Diretor de Canais e Parcerias da Creditas.

Tags, ,

Vila Madalena ganha novo conceito de moradia em São Paulo

O que avaliar no momento de escolher um lugar para morar: localização, comodidade ou segurança? O novo conceito de moradia hassle-free (livre de aborrecimentos), que reúne os três requisitos e mais, chega ao Brasil e se consolida na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo. A proposta é da Vila 11, empresa nacional que desenvolve, administra e opera residências para locação long-stay na capital.

A companhia oferece contratos digitais, sem burocracia, deposito ou taxas, suporte para a mudança dos moradores (move-ins) e ainda a gestão patrimonial dos edifícios assegurando qualidade e confiabilidade dos sistemas prediais e instalações dos apartamentos. Além de uma experiência exclusiva, os moradores ficam livres de todas as questões típicas de condomínios como discussões em assembleias, reuniões deliberativas de orçamento, eleição de síndicos e desalinhamento nos interesses em melhorias.

O primeiro empreendimento da Vila 11, próximo ao metrô Vila Madalena, acaba de iniciar suas operações, com 100 apartamentos de 32 a 66 m² (estúdios, 1 e 2 dormitórios) e valor da locação a partir de R$ 3.600,00, com o restante das despesas à parte, mas discriminados em boleto único. O prédio dispõe de áreas comuns, como piscina, academia de ginástica, salão de festas, espaço gourmet, pet place, bicicletário, co-working e lavanderia coletiva, com internet em todas as áreas. A localização estratégica em um dos bairros mais cobiçados de São Paulo oferece fácil acesso a comércios, entretenimento, vida noturna e alternativas de mobilidade.

Para o CEO da Vila 11, Ricardo Laham, a marca surge no mercado nacional para desmistificar o aluguel, apresentando uma solução de moradia totalmente nova, como alternativa à compra do imóvel. “Existem muitas dores no mercado do aluguel que no Brasil ainda é muito amador e pulverizado. Por exemplo, a quantidade de boletos que se recebe, as cansativas reuniões condominiais, a qualidade e manutenção dos apartamentos e inseguranças no relacionamento com o proprietário. Nosso objetivo é, justamente, oferecer uma solução de locação profissionalizada e livre de todos esses aborrecimentos”, afirma Laham.

Os apartamentos são semi-mobiliados com armários, eletrodomésticos, ar condicionado e modens de internet, o que deixa por conta do morador apenas os itens pessoais. Os acabamentos possuem qualidade superior de forma perceptível, além de projeto de iluminação exclusivo e conforto acústico. Reparos ou correções nos principais sistemas e equipamentos também são responsabilidade da empresa – o morador não precisa se preocupar em trocar uma lâmpada ou consertar o ar condicionado, por exemplo.

Outro aspecto relevante entre as conveniências da Vila 11 é que se o morador precisar mudar de bairro, poderá fazer portabilidade do contrato para outro empreendimento, em outras localizações que a empresa também esteja presente.

“Conforme a entrega de novos empreendimentos, a ideia é oferecer soluções rápidas caso o morador escolha ou precise mudar de bairro, de acordo com o momento da vida dele. Teremos outro prédio do mesmo padrão para recebê-lo fazendo com que continue se sentindo em casa e estabeleça relacionamentos de longo prazo conosco”, completa o CEO da empresa.

Os próximos empreendimentos da Vila 11 serão entregues nos bairros de Pinheiros, Bela Vista e Paraíso com previsão de abertura para o final de 2021 e início de 2022.

Tags, , , ,

ABRAINC: Vendas de imóveis crescem 58% em julho e registram melhor resultado mensal desde maio desde 2014

O indicador mensal da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou aumento de 58% nas vendas de novas unidades habitacionais em julho na comparação com o mesmo mês em 2019. Foi o melhor resultado mensal do indicador Abrainc/Fipe desde maio de 2014.

Com base nas informações repassadas pelas associadas à entidade, o trimestre móvel encerrado em julho do indicador Abrainc/Fipe registra vendas 25,5% maiores no comparativo com o mesmo período no ano passado.

O presidente da Abrainc, Luiz Antonio França, avalia que os números mostram a resiliência do setor em atravessar a crise representada pela Covid-19. Segundo ele, a retomada de lançamentos mostra que as incorporadoras estão confiantes na recuperação econômica brasileira.

“Em julho, os lançamentos de novos empreendimentos registraram crescimento de 38,2%. Esse salto reflete a retomada de lançamentos (7,3%) e vendas (34,8%) no segmento de médio e alto padrão, que havia sofrido mais impacto da pandemia. O números indicam que a Construção está deixando a incerteza no retrovisor. O déficit habitacional de 7,797 milhões de moradias no país reforça a disposição de novos investimentos pelas incorporadoras”, afirma França.

No acumulado em 12 meses, as unidades comercializadas pela incorporação cresceram de 9% em relação ao volume vendido nos 12 meses anteriores.

Já as vendas líquidas calculadas com base no volume de vendas e distratos, cresceram 56,2% em julho, 21,2% no último trimestre móvel e 12,1% nos últimos 12 meses.

Tags, ,

Perfil de buscas por imóveis em São Paulo mudou no último ano

O Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, analisou as tendências mais buscadas pelos seus usuários e notou uma alteração de perfil. Com as adversidades enfrentadas em 2020, muitos consumidores vieram a mudar as prioridades do que procuram em um empreendimento.

O levantamento, elaborado pelo portal, mostra que, em setembro de 2019, a busca por imóveis residenciais, na capital paulista, se dividia da seguinte forma: 47% optavam por aluguel e 53% por venda. Agora, no último mês (setembro/2020), o cenário mudou. Quem busca por novos lares em São Paulo está muito mais interessado em comprar (63%), enquanto 37% procuram por locação.

Outra mudança observada pelo portal foi a busca por locais maiores, com um quantidade maior de dormitórios. Em setembro de 2019, a busca por imóveis residenciais de 4 ou mais quartos, em São Paulo, representava 4,5% do total. Hoje, esse indicador se alterou para 9,3%. Já os locais com apenas 1 dormitório tiveram uma redução de buscas de 23%, no ano passado, para 16,8%, quando comparamos setembro de 2019 a setembro de 2020.

“Antes víamos os usuários interessados em imóveis com ótimas localizações, pensando muito mais na mobilidade, do que no empreendimento em si. Hoje, ainda temos esses consumidores, mas notamos que os usuários estão procurando imóveis maiores, com mais cômodos e qualidade na moradia, com ambientes mais adequados, como, por exemplo, imóveis com espaço para escritório”, explica a gerente de marketing do Imovelweb, Angélica Quintela.

Tags, , ,

Mercado imobiliário em Minas Gerais segue tendências de espaços maiores e adaptados às novas necessidades dos clientes

Como será o mundo pós-pandemia é uma das questões que mais inquietam especialistas de vários setores. No que diz respeito ao mercado imobiliário, os impactos já revelam uma valorização da casa própria e necessidades que estão moldando tendências. Pesquisa divulgada pela consultoria Urban Systems, em parceria com as empresas de inteligência de mercado Prospecta e Brain, revela os principais itens apontados pelos clientes como primordiais na hora de escolher um imóvel.

Se antes muitas pessoas passavam mais tempo fora de casa, no trajeto ou no próprio trabalho, com a pandemia foi necessário ficarem reclusas em suas residências, compartilhando o espaço com a família ou outros moradores da casa. Segundo a pesquisa, desde o início da quarentena, 37% dos respondentes sentiram falta de ter um espaço para o home office, mesmo percentual que afirmou que gostaria de ter uma área para a prática de exercícios físicos. Para ter esses ambientes, a maioria dos entrevistados revelou que aceitaria reduzir outros no imóvel, como sala de estar (28%), área de serviço (27%) e sala de jantar (26%).

O reflexo disso é a procura por casas e apartamentos mais espaçosos. Para o presidente da Sancruza Imóveis, Evandro Negrão de Lima Jr., esses novos anseios já desenham mudanças no perfil de imóveis procurados pelos clientes. “Hoje percebemos que existe uma procura maior por imóveis que possam comportar escritório, área de lazer, varanda gourmet e quintal, por exemplo. Com o isolamento social, ficou evidente que ter esses espaços pode ser muito útil; as pessoas perceberam que vale a pena investir no lar e transformá-lo no melhor lugar possível”, explica. Além disso, 54% dos entrevistados da pesquisa disseram que vão continuar em home office depois da pandemia. No imóvel atual, 91% responderam que precisam ter até dois postos de trabalho, o que confirma a tendência pela ampliação das moradias.  

Lima Jr. também afirma que a empresa observou que aquelas pessoas que ficavam em dúvida entre um apartamento que custava um pouco mais barato e um que tinha um preço um pouco mais elevado, mas era maior, mais confortável e possuía área de lazer ou varanda gourmet, acabaram optando pela segunda opção. A pesquisa confirma esse cenário: com o aumento dos pedidos de comida em domicílio (57% dos entrevistados pretendem manter a frequência de pedidos depois da pandemia) e com as pessoas fazendo mais refeições em casa (90% pretendem seguir com esse hábito depois da pandemia), a busca por varandas gourmet aumentou. O espaço é a preferência dos entrevistados (38%), seguido por ter uma cozinha americana integrada à sala (33%). A maioria não gostaria de ter que diminuir nada no imóvel para obter o espaço (25%), confirmando também a tendência pela procura por imóveis maiores.

Com isso, as empresas do setor estão investindo em lançamento que acompanhem as tendências e anseios do consumidor. É o caso da PHV Engenharia, construtora do segmento de alto luxo. “A localização continua sendo ponto principal, mas já percebemos a procura por espaços mais distantes, desde que sejam amplos e completos para as atividades do cotidiano”, afirma o diretor técnico da PHV, Marcos Paulo Alves. “Além da localização e do projeto como um todo, as pessoas passaram a olhar com mais cuidado para os detalhes que compõe o prédio e se o empreendimento tem condições de atender satisfatoriamente suas necessidades, mesmo em uma situação de confinamento por um período longo, como tem ocorrido na pandemia”, argumenta.

A necessidade de ampliação das medidas de segurança sanitária também desenha novas tendências para os negócios. Segundo o estudo da Urban Systems, 84% dos respondentes passaram a deixar os sapatos na entrada do imóvel por causa da pandemia e 88% passaram a higienizar as compras. Nesse cenário, 69% das pessoas disseram que gostariam de ter um espaço para higienização dentro do imóvel.

A pesquisa da Urban Systems também aponta que as novas tecnologias, principalmente as relacionadas à higienização, são o que as pessoas consideram mais importante ter no prédio onde moram. Metade dos entrevistados afirma que gostaria de ter elevador com botoeira “sem toque”; 38%, câmara de higienização na entrada; 26%, reconhecimento facial (mesmo percentual que respondeu automação para interação dos equipamentos com comando de voz) e 25% indicaram sensores de presença com alarme nos muros. “Percebemos, ainda, a busca por equipamentos direcionados a higiene e cuidados pessoais, como acionamentos dos equipamentos por sensores, central de delivery, coworking, câmaras de higienização, dentre outras”, complementa Marcos Paulo.

Tags, , , , ,