Materiais básicos geram um terço do faturamento na construção civil

Materiais básicos geram um terço do faturamento na construção civil

A Juntos Somos Mais, empresa detentora do maior programa de fidelidade do varejo da construção civil e do maior marketplace do setor, revela dados baseados em seu Sistema de Inteligência de Mercado (SIM), que fornece resultados gratuitos para os participantes deste programa.

A empresa percebeu que aproximadamente um terço do faturamento das lojas do varejo da construção é derivado da venda de materiais básicos, como cimentos, tubos e aço.

Esses insumos compõem outra estatística, baseada em informações fornecidas pelo Sinduscon, que determinam que os materiais de obra são responsáveis por quase 40% do gasto médio com o metro quadrado das construções civis no Brasil, que totaliza cerca de R$ 1.410. Outros 56% são destinados a gastos com mão de obra e cerca de 4% vão para despesas administrativas, projeto e aluguel de equipamentos.

O Juntos Somos+, programa de fidelidade focado no desenvolvimento e digitalização do varejo da construção civil, conta com mais de 57 mil lojas cadastradas em todo o Brasil – ou 41% do total de instituições do ramo no país – e mais de 200 mil profissionais. Entre janeiro e agosto do último ano, o programa viu um aumento de mais de 50% na quantidade de participantes, o que demonstra o interesse de varejistas do setor em se modernizarem.

O setor vem ganhando cada vez mais fôlego. Para Eduardo Zaidan, vice-presidente de economia do Siduscon-SP, “o crescimento da construção civil passa muito mais pelo setor informal do que pelas construtoras”. Isso significa que o varejo da construção civil, que conta com cerca de 140 mil lojas em todo o Brasil e movimenta mais de R$ 100 bilhões por ano, é um dos principais vetores de recuperação da economia neste período.

Segundo levantamentos do IBGE, a construção civil cresceu 2,0% no segundo trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado, depois de cinco anos registrando quedas. Ainda de acordo com o instituto, o resultado ajudou a impulsionar o PIB brasileiro, que subiu 1,0% no 2º trimestre de 2019 quando comparado com 2018, o 10° resultado positivo consecutivo nesta base de comparação.

A construção civil também tem contribuído com a geração de emprego no Brasil. De acordo com dados do CAGED de janeiro a agosto de 2019, houve a criação de 593 mil empregos e a construção civil foi a indústria que mais contribuiu com 96,5 mil empregos (16% das vagas totais). Como referência, no mesmo período de 2018, houve a criação de 568 mil empregos e a construção civil contribuiu com 65,5 mil empregos (12% das vagas totais).

Comments are closed