Mercado imobiliário em Miami bate recordes de vendas

Mercado imobiliário em Miami bate recordes de vendas

2020 foi um ano atípico para o mercado imobiliário de Miami e Miami Beach, porém, neste caso, a mudança causada pela pandemia foi positiva. Jills Zeder Group do Coldwell Banker Realty bateu recordes de vendas em 2020. A busca foi, principalmente, por imóveis de alto luxo, com acesso ao ar livre, privacidade e espaço amplo, retratando assim a busca dos compradores por qualidade de vida, comodidade e conforto.

Fabio Lopes, do The Jills Zeder Group, apresentou dados relevantes que retratam o aquecido mercado de Miami. Em 2020 nossas vendas foram superiores a US $ 1 bilhão, em 2019 o valor foi de US $ 665 milhões. Em 2021, durante quatro primeiros meses do ano, a empresa bateu novo recorde e faturou US $ 1 bilhão. Apesar dos desafios da pandemia, Lopes e The Jills Zeder Group permaneceram focados em seus clientes e entregaram resultados incríveis para eles.

Essa conquista extraordinária quebra todos os recordes do The Jills Zeder Group e solidifica sua posição como especialista em imóveis de luxo líder no sul da Flórida. “O Grupo Jills Zeder vendeu mais de 180 transações e listou mais de 160 propriedades, incluindo residências unifamiliares e condomínios, em 2020”.

Por que Miami?

Ao contrário de anos anteriores, a busca por imóveis na região não foi feita por estrangeiros como nos anos anteriores. Americanos de outras partes do país procuraram imóveis na região. “Um dos fatores desse aumento é que na Flórida não há imposto estadual, apenas federal. O que acaba tendo um impacto considerável no custo de vida dos moradores, é um grande fator que atrai novos moradores “, revela.

O valor do metro quadrado em Miami chama a atenção em relação a outras cidades globais e é um fator que atrai novos compradores. Em Miami, com US $ 1 milhão, pode render aos compradores de casas 93 m2, de acordo com o Relatório de Riqueza 2019 da Knight Frank. Sendo que em Mônaco é equivalente a uma propriedade de 16 m2, Hong Kong 22 m2, Nova York 31 m2, Los Angeles 36 m2.

O clima ameno o ano todo também atraiu americanos de outros estados que não encontraram benefícios em viver em um clima mais frio, pagando impostos mais altos. “Com o inverno chegando no norte da América, as restrições da pandemia e o clima levando todos para dentro, o sul da Flórida estava esquentando.”

Outro fator que atraiu os americanos é que o Sul da Flórida se tornou uma atração à parte, devido a eventos mundialmente famosos, como o Art Basel, além de lojas de classe mundial, esportes aquáticos, durante todo o ano ou sua maravilhosa proximidade com as Américas. Por exemplo, a Formula 1 terá seu primeiro Grand Prix em Miami em 2022.

Imóveis de alto padrão

Fabio revela que os americanos aproveitaram o mercado crescente para adquirir imóveis, tanto residências unifamiliares quanto condomínios no sudeste da Flórida, de novos moradores em busca de um estilo de vida diferente oferecido pelo sul da Flórida. “Entre as preferências dos americanos estão novos edifícios em estilo resort, seguidos pela proximidade da orla marítima e localizações privilegiadas.”

A alta demanda já pode ser percebida no estoque de residências unifamiliares, que somente em janeiro de 2021 diminuiu 45,8%. “Tivemos 110 meses consecutivos de valorização de preços no mercado de residências unifamiliares. Quando uma casa chega ao mercado, muitas vezes vemos várias ofertas imediatamente, a maioria dos compradores dispensando contingências de financiamento e oferecendo preço total pedido e muitas vezes acima do pedido “quando há várias ofertas, explica Fábio.

Com as mudanças trazidas pela pandemia, surgem novas definições de luxo para a família, resumidas em saúde, espaço e segurança. “Assim, vimos a demanda por mega mansões, propriedades e outros complexos de luxo aumentar, com 55% dos especialistas em propriedades de luxo pesquisados ​​observando que mais metragem quadrada foi a mercadoria número um que aumentou a demanda de 2019 a 2020”, conclui ele.

Comments are closed