Tag Archive imóveis

Mais de 12 milhões de famílias pretendem adquirir um imóvel nos próximos 24 meses, aponta estudo realizado pela Datastore

O Datastore Series de setembro mostra que, mês após mês, o mercado imobiliário dá sinais de recuperação, mesmo em meio à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo o estudo, realizado pela Datastore, em setembro, 12.080.575 famílias declararam interesse em adquirir imóveis nos próximos 24 meses. Isso equivale a 23,9% do grupo que participou do estudo, índice próximo ao da pré-pandemia que apontava, no primeiro trimestre do ano, intenção de compra de imóvel por 25% das famílias brasileiras.

“Continuamos subindo, estamos com 12,1 milhões de famílias, praticamente o mesmo patamar de 15 de março. Todavia são grupos diferentes, a maioria destes compradores são novos, ou seja, chegaram durante a pandemia”, explica Marcus Araujo, CEO e fundador da Datastore.

Ainda mais animadores são os índices que mostram as intenções de compras de imóveis para os próximos 12 meses, um sub extrato dos compradores dos próximos 24 meses, que demonstra que não há “boom” imobiliário, uma vez que quem está comprando são as pessoas que já estavam no funil de compras de 24 meses, apenas decidindo comprar mais rápido e de forma mais consciente. “O percentual de compradores ávidos (12 meses) subiu para 53% e a última vez que isso ocorreu foi em 2011. O último trimestre de 2020 pode ser imbatível para o setor imobiliário”, completa Araujo.

Esse cenário é bastante promissor e essa ascendência deve continuar nos próximos meses, já que o mercado imobiliário brasileiro vem mostrando o seu vigor, por meio da redução da taxa Selic, e com novos compradores e investidores chegaram ao mercado, impulsionando a retomada, corroborada por incorporadores e imobiliárias. “A série histórica mostra, claramente, que o pior já passou, mas também aponta que somente a redução da taxa Selic não será decisiva e, sim, a retomada da economia e a geração de novos empregos com a pandemia sob controle, algo que já ocorre na maioria dos estados brasileiros, com a queda dos números de casos e óbitos na média móvel”, finaliza o CEO da Datastore.

Datastore Series

A Datastore Series é uma análise completa e gratuita sobre os dados do mercado imobiliário com projeções e análises mensais feitas pela Datastore e Marcus Araujo sobre a movimentação do setor. A análise pode ser feita por abrangência nacional, regional, mensal trimestral, quadrimestral e pode, inclusive, indicar os próximos passos do mercado imobiliário em geral. A Series é consistente e traz dados coletados com abrangência nacional desde 2007.

Tags, , , ,

Imóveis de Fortaleza acumulam 1,4% de valorização em 2020, segundo Imovelweb

O preço do metro quadrado em Fortaleza (CE) ficou em torno de R$ 4.890 em setembro, o que representa um pequeno aumento, de 0,1%, se comparado a agosto. Em 2020, os preços dos imóveis na região acumulam um crescimento de 1,1%, mas nos últimos 12 meses a variação é negativa, com queda de 1,7% nos custos dos imóveis. Os dados são do relatório imobiliário do Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País.  

Com esse valor de metro quadrado, um imóvel padrão, com 65m², 2 quartos e uma vaga de garagem, fica em torno de R$ 317.800,00. Já um apartamento de três quartos, uma vaga de garagem e 90m² custa por volta de R$ 404.900,00, uma vez que a média do preço do metro quadrado é de R$ 4.500.

“Ainda é possível notar a queda no preço médio do metro quadrado em Fortaleza, mas esse declínio começou a diminuir nos últimos meses, com aumento médio nos preços a partir de junho desse ano. Aos poucos, os imóveis voltam a se valorizar na região, o que é uma boa notícia para moradores e investidores”, destaca Tiago Galdino, CFO do Imovelweb.
Veja as regiões de Fortaleza e suas médias do metro quadrado: 

Região Preço m² Variação mensal Variação anual 
SER II R$ 5.580,00 0,0%-1,0% 
SER III R$ 4.524,00 0,9% -4,0% 
SER I R$ 4.359,00 -0,9% 5,9% 
SERCEFOR R$ 4.296,00 0,1% -11,2% 
SER IV R$ 4.214,00 0,9% -5,7% 
SER VI R$ 3.774,00 0,3% -2,7% 
SER V R$ 3.128,00 0,0%3,2% 

De acordo com os dados do Imovelweb, nos últimos 12 meses os bairros que mais se desvalorizaram foram Pici (R$ 5.101/m²), Monte Castelo (R$ 2.970/m²) e Curio (R$ 2.623/m²), com queda de 19,2%18,8% e 12,3%.

Por outro lado, as maiores valorizações ocorreram nos bairros Montese (R$ 3.130/m²), aumento de 9,1%; José Bonifacio (R$ 6.293/m²), que cresceu 8,4%; e Prefeito José Valter (R$ 2.573), acréscimo de 8%.
Veja os bairros onde o metro quadrado é mais caro e mais barato em Fortaleza:


Mais caros (m²)
Variação mensalVariação anual
MeirelesR$ 7.441,00-1,8%-1,7%
Patriolino RibeiroR$ 7.230,000,1%7,6%
MucuripeR$ 6.912,00-0,5%-2,5%
Mais baratos (m²)Variação mensalVariação anual
AncuriR$ 2.254,003,7%S/D
JangurussuR$ 2.395,000,0%-2,0%
Manoel SátiroR$ 2.420,00-0,5%2,6%

Tags, , ,

Para 51%, ter wifi disponível em todo o prédio é fundamental na hora de comprar um imóvel

Cada vez mais a tecnologia está presente na vida das pessoas. Os avanços e comodidade que a tecnologia oferece começa a ser percebida como aspecto importante na hora de comprar um imóvel. Um estudo exclusivo realizado pela DataZAP, braço de inteligência imobiliária do Grupo ZAP, revela que para 51% das pessoas que querem comprar um imóvel, ter wifi disponível em todo o prédio é um aspecto altamente importante.

A pesquisa também que, em segundo, aparece tomadas USB nos imóveis e nas áreas comuns com 42%. Em terceiro, com 40%, fechadura eletrônica ou digital no imóvel está na terceira posição. Além disso, seguem como aspectos importantes: automação dos ambientes da casa (smart home) com 32%, seguido de portaria virtual (31%) e tomadas para carros elétricos (22%).

“A tecnologia estará cada vez mais presente nos imóveis. É importante, na construção de empreendimento, ter essa atenção para aspectos tecnológicos que, sem dúvida, vão fazer a diferença na hora de comprar um imóvel. A tecnologia caminha para ser um dos fatores decisivos na hora de comprar um imóvel”, explica Deborah Seabra, economista do Grupo ZAP.

A pesquisa foi realizada com 861 pessoas das capitais e regiões metropolitanas do Brasil.

Tags, , , ,

Perfil de buscas por imóveis em São Paulo mudou no último ano

O Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, analisou as tendências mais buscadas pelos seus usuários e notou uma alteração de perfil. Com as adversidades enfrentadas em 2020, muitos consumidores vieram a mudar as prioridades do que procuram em um empreendimento.

O levantamento, elaborado pelo portal, mostra que, em setembro de 2019, a busca por imóveis residenciais, na capital paulista, se dividia da seguinte forma: 47% optavam por aluguel e 53% por venda. Agora, no último mês (setembro/2020), o cenário mudou. Quem busca por novos lares em São Paulo está muito mais interessado em comprar (63%), enquanto 37% procuram por locação.

Outra mudança observada pelo portal foi a busca por locais maiores, com um quantidade maior de dormitórios. Em setembro de 2019, a busca por imóveis residenciais de 4 ou mais quartos, em São Paulo, representava 4,5% do total. Hoje, esse indicador se alterou para 9,3%. Já os locais com apenas 1 dormitório tiveram uma redução de buscas de 23%, no ano passado, para 16,8%, quando comparamos setembro de 2019 a setembro de 2020.

“Antes víamos os usuários interessados em imóveis com ótimas localizações, pensando muito mais na mobilidade, do que no empreendimento em si. Hoje, ainda temos esses consumidores, mas notamos que os usuários estão procurando imóveis maiores, com mais cômodos e qualidade na moradia, com ambientes mais adequados, como, por exemplo, imóveis com espaço para escritório”, explica a gerente de marketing do Imovelweb, Angélica Quintela.

Tags, , ,

Plataforma de parcerias imobiliárias apresenta regiões de Porto Alegre com maior oferta de imóveis

Levantamento realizado pela startup Beemob indica que apartamentos de dois dormitórios correspondem a 43% das ofertas na cidade, enquanto de três dormitórios são 38%; bairro Petrópolis lidera opções nestes dois recortes
Nada mais assertivo do que um espaço que reúna uma oferta de imóvel com uma demanda clara de consumo.

Essa é a essência da startup Beemob, plataforma de parcerias imobiliárias que une quem quer vender com quem quer comprar, como verdadeiros “matches”, como em apps de relacionamento. Prova disso é que no primeiro semestre do ano a plataforma cresceu 42% o número de usuários, em relação ao fechamento do ano anterior, e acumulou R$ 96,6 bilhões de VGV – Valor Geral de Vendas – em oferta, disponibilizados por corretores de imóveis, imobiliárias e incorporadoras de todo o Brasil.


Presente nos 26 estados do Brasil, no Distrito Federal e em mais de 540 cidades brasileiras, a Beemob nasceu em Porto Alegre no ano de 2018 e através das informações dispostas consegue observar o comportamento do mercado da capital gaúcha neste período de 2020. Levantamento exclusivo indica que, por exemplo, apartamentos de dois dormitórios correspondem a 43% das ofertas na cidade, enquanto de três dormitórios são 38%.

O bairro Petrópolis lidera o número de ofertas para apartamentos de dois dormitórios, com 6% do recorte enquanto os valores pedidos pelos anunciantes variam de R$ 200 mil a R$ 1,4 milhão. No mesmo bairro, o número de ofertas de imóveis com três dormitórios se mantém parecido: eles correspondem a 5% dos anúncios deste recorte e podem chegar a R$ 6,6 milhões. Abaixo está a relação dos cinco bairros com mais ofertas em Porto Alegre:

Imóveis com um quarto: 18%


1º – Bairro PETRÓPOLIS
15% de representação do setor;
Média de preços: R$ 459 mil;


2º – Bairro CENTRO HISTÓRICO
10% de representação do setor;
Média de preços: R$ 250 mil;


3º – Bairro JD. BOTÂNICO
6,5% de representação do setor;
Média de preços: R$322mil;


4º – Bairro PARTENON
6% de representação do setor;
Média de preços: R$ 226 mil;

5º – Bairro PASSO DA AREIA
5% de representação do setor;
Média de preços: R$ 305mil.


Imóveis com dois quartos: 43%


1º – PETRÓPOLIS
13,5% de representação do setor;
Média de preços: R$ 617 mil


2º – Bairro PASSO DA AREIA
4,5% de representação do setor;
Média de preços: R$ 523mil;


3º – Bairro RIO BRANCO
4,3% de representação do setor;
Média de preços: R$ 613mil;

4º – Bairro JD. BOTÂNICO
4% de representação do setor;
Média de preços: R$473mil;

5º – Bairro MENINO DEUS
3,8% de representação do setor;
Média de preços: R$528mil.


Imóveis com três quartos: 38%


1º – PETRÓPOLIS
14,5% de representação do setor;
Média de preços: R$1,2 milhões


2º – Bairro RIO BRANCO
6,5% de representação do setor;
Média de preços: R$1,1milhões;


3º – Bairro MENINO DEUS
5,6% de representação do setor;
Média de preços: R$960mil;


4º – Bairro PASSO DA AREIA
5,5% de representação do setor;
Média de preços: R$758mil;


5º – Bairro BELA VISTA
5,5% de representação do setor;
Média de preços: R$1,7 milhões


Segundo Vitor Capun, um dos fundadores da plataforma, neste período a Beemob se tornou uma referência no setor imobiliário, já que a plataforma completou dois anos em julho, com 8.732 usuários ativos, sendo 8.009 destes corretores autônomos e os demais pertencentes a imobiliárias e incorporadoras. Além disso, foram mais de 16 mil ‘matches’ produzidos, o que dá a grandeza de transações geradas.


“Devido a conjectura de 2020, a Beemob teve grande adesão neste período, por se tratar de uma plataforma que conecta profissionais e acelera seus processos. A partir disso, nosso objetivo é concluir o ano com mais de 15 mil usuários na plataforma”, avalia Capun.

Tags, , ,

Comprar ou alugar? Pagar à vista ou financiar? Confira dicas de como escolher o próximo imóvel

Após nove quedas consecutivas da Selic, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) do Brasil manteve neste mês a meta em seu piso histórico de 2%. Com a taxa baixa, a rentabilidade de investimentos de renda fixa diminui, porém favorece o consumidor que busca comprar um imóvel e financiá-lo. Nesse cenário econômico, comprar uma casa ou apartamento ficou mais atraente para milhares de pessoas. Mas vale a pena comprar um imóvel? É melhor financiar ou pagar à vista? O aluguel também pode ser uma boa opção?

O efeito da pandemia fez as pessoas refletirem sobre mudança, pois neste período houve uma ressignificação da relação com o morar. Com mais tempo em casa e podendo trabalhar remotamente de forma mais rotineira o aspiracional por conforto e segurança aumentou bastante.

Segundo dados da OLX Brasil, a busca por imóveis cresceu 15% no segundo trimestre de 2020 no país, se comparado ao mesmo período do ano anterior. A procura por compra teve aumento de 21% e por aluguel de 7%, na mesma comparação.

Para ajudar aqueles que procuram casas e apartamentos nesse momento, o diretor de Imóveis da OLX Brasil, Marcelo Dadian, dá algumas dicas para fazer a escolha ideal.

Vale mais a pena comprar ou alugar?

O especialista afirma que a resposta não é tão simples quanto pode parecer: “Olhando somente pelo aspecto financeiro, atualmente temos baixas taxas de juros para financiamentos imobiliários, o que deve facilitar a compra. A cada 1% de baixa nas taxas de juros, mais de um milhão de pessoas passam a ter renda para comprar seu imóvel, o que gera aumento nas vendas de imóveis. Outro ponto relevante é que com a baixa taxa de juros e as novas modalidades de financiamento, muitas vezes o valor da prestação se aproxima muito do valor do aluguel. Além disso, para quem quer investir em imóveis para alugar, a receita de aluguel passa a ter mais importância, pois, percentualmente, pode ser maior que o das aplicações mais conservadoras e ainda pode contemplar a valorização do imóvel.

A decisão depende muito do perfil de cada um e do grau de confiança para se comprometer com uma dívida de longo prazo no caso da compra de um imóvel.

O aluguel é vantajoso quando a intenção é manter uma reserva financeira para eventuais emergências. Para isso, é necessário escolher um imóvel em que o valor da locação, do IPTU e do condomínio caiba no bolso e que não exceda 20% da renda familiar. Além disso, o aluguel permite que o inquilino tenha mais mobilidade e flexibilidade para mudar de bairro, cidade ou país a qualquer momento. As pessoas podem optar também por uma locação como um teste de uma mudança de maior impacto como ir para regiões mais afastadas dos grandes centros, por exemplo.

Segundo Dadian, seja qual for a opção, ela deve ser decidida somente após uma boa pesquisa. “Optar por um imóvel é uma escolha importante e, por isso, é natural que leve algum tempo. Aproveite para olhar diferentes alternativas e definir qual a melhor localização, configuração de planta, equipamentos nas áreas comuns e serviços incluídos no condomínio e despesas do imóvel, por exemplo”.

É melhor comprar um imóvel na planta ou já pronto?

Comprar um imóvel ainda na planta pode ser mais vantajoso para quem não tem pressa e para quem espera valorização do imóvel depois de comprado. Tende a ser mais moderno e a contar com espaços de áreas comuns mais atualizados. Mas é importante lembrar que as parcelas mensais e anuais sofrerão reajustes e a obtenção do financiamento sempre tem relação com a renda familiar. “O comprador deve ficar atento no caso de contratação de financiamento, já que o custo final do imóvel será corrigido de acordo com a inflação e com os juros do contrato”, comenta o diretor da OLX Brasil.

Outro fator a levar em consideração é a reputação da construtora e se ela costuma cumprir os prazos prometidos em outras obras. Já no imóvel pronto, não há risco de atraso na obra, ele já está disponível para entrar e morar.

Deve-se juntar dinheiro para comprar à vista ou financiar?

Se o consumidor tem o dinheiro para comprar à vista, é o mais recomendado e, inclusive, nesta modalidade pode gerar algum desconto relevante. Por outro lado, para quem precisa financiar, este é um bom momento para fechar negócio, pois as taxas de juros estão favoráveis para o comprador. No caso de financiamento é importante notar o valor final do imóvel na tabela de simulação, onde aparecem calculadas todas as parcelas relacionando os juros incidentes e o valor final do imóvel.

“Se a pessoa não tem o valor total para comprar, a solução mais recomendada é tentar dar a maior entrada possível e financiar o restante. Assim, ela não perde a oportunidade naquele momento, e minimiza os custos futuros”, sugere o especialista.

Como escolher um imóvel anunciado em plataformas online?

É possível encontrar excelentes oportunidades de apartamentos e casas pela internet, mas é sempre bom tomar alguns cuidados. Primeiro, precisa ficar atento na busca pelos menores preços e desconfiar se o valor estiver muito abaixo do solicitado naquela região para imóveis semelhantes.

Muitas vezes os anúncios estão associados a um corretor de imóveis ou a uma imobiliária, e um bom profissional sempre pode ajudar na tomada de decisão.

Depois, é indicado pesquisar o endereço e verificar no mapa se as informações estão de acordo com o explicado pelo vendedor. O ideal é visitar o imóvel antes de efetuar a compra ou o aluguel durante horários e dias diferentes para entender, por exemplo, a variação da incidência de luz no apartamento e o trânsito na microrregião.

Dadian traz outras dicas importantes: “Antes de fechar negócio, é importante pedir todas as certidões do proprietário e do imóvel, tais como a matrícula e o IPTU para garantir que não exista nenhuma pendência que impeça a venda. No caso da intenção de contratar um financiamento junto ao banco de sua preferência, obter o valor do crédito antecipadamente pode agilizar todo o processo”.

Tags, ,

Lançamentos de imóveis crescem 236,6% em São José dos Campos

O Estudo do Mercado Imobiliário de São José dos Campos, realizado pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação) em parceria com a Robert Michel Zarif Assessoria Econômica, apurou que, entre maio de 2018 e abril de 2019, foram lançadas na cidade 1.407 unidades, volume 236,6% superior ao período anterior, quando os lançamentos totalizaram 418 residências. Nesse mesmo intervalo, foram comercializados 1.329 imóveis novos no município. O resultado representa uma elevação de 9,9% em relação às 1.209 residências vendidas e contabilizadas no levantamento passado. Os números foram divulgados na noite desta segunda-feira, 13/5, durante o Encontro Secovi do Mercado Imobiliário de São José dos Campos, realizado no auditório da Faap (Fundação Armando Alvares Penteado).

Em termos de estoque, São José dos Campos encerrou abril de 2019 com a oferta de 1.113 unidades disponíveis para a comercialização. O montante corresponde a uma redução de 9,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando houve o registro de 1.234 imóveis não vendidos. Esta oferta é formada por unidades na planta, em construção e prontas (estoque), lançadas nos últimos 36 meses (maio de 2016 a abril de 2019). No levantamento, os imóveis de 2 dormitórios econômicos destacaram-se em todos os indicadores, entre maio de 2018 e abril de 2019, registrando a maior quantidade de lançamentos (874 unidades), de vendas (787 unidades), de oferta final (767 unidades) e o maior VGV (R$ 136,2 milhões). “Os números refletem as boas perspectivas para o mercado imobiliário da região, impulsionadas pelo impacto da nova legislação urbana local e considerando o momento político-econômico nacional. O período é favorável e traz boas oportunidades para quem pretende investir ou adquirir a casa própria e, ainda, mantém a tendência de aumento das ofertas e dos preços para quem pretende vender seu imóvel”, comenta Paulo Cunha, diretor regional do Secovi em São José dos Campos.

VGV (Valor Global de Vendas) – Entre maio de 2018 e abril de 2019, o VGV totalizou R$ 307,6 milhões, volume 7,2 % superior ao registrado no levantamento passado, quando atingiu a marca de R$ 287 milhões. Nos mesmos 12 meses, o indicador VSO (Vendas sobre Oferta) – que apura a porcentagem de vendas em relação ao total de unidades ofertadas – ficou em 54,4%, representando crescimento de 9,9% em relação aos 49,5% apontados no período anterior.

Período de 36 meses – Considerando-se todo o período de estudo em São José dos Campos, de maio de 2016 a abril de 2019, os lançamentos totalizaram 4.083 imóveis residenciais, sendo que, destes, foram comercializadas 2.970 unidades. As vendas resultaram em um montante de R$ 703 milhões. O produto que mais se sobressaiu no período, em lançamentos e vendas, foi o de imóveis de 2 dormitórios econômicos, com metragem de até 45 m² de área privativa e preço inferior a R$ 230 mil.

Preço médio – Em abril de 2019, o preço médio por metro quadrado de área útil dos imóveis residenciais na cidade de São José dos Campos foi de R$ 5.452,00 para o mercado tradicional e de R$ 3.776,00 no segmento econômico. Os valores médios praticados de venda dos imóveis, no período analisado de 36 meses (maio de 2016 a abril 2019), foram: R$ 176 mil (1 dormitório econômico), R$ 318.208,00 (1 dormitório), R$ 173.700,00 (2 dormitórios econômicos), R$ 345.499,00 (2 dormitórios) e R$ 374.212,00 (3 dormitórios).

Confira o estudo na íntegra

Tags, , ,

Em parceria inédita com Uber, MRV busca clientes em casa para feirão de vendas de imóveis

No próximo dia 16 de março, sábado, mais de 10 mil viagens de carros serão realizadas entre as casas de milhares de brasileiros até os plantões de vendas da MRV. Em uma estratégia única para oferecer comodidade aos clientes, a construtora, em parceria com a Uber, disponibilizará um carro com motorista para levar as pessoas que queiram sair do aluguel até o plantão de vendas da MRV onde poderá adquirir a sua nova casa.

Além da comodidade de não precisar se preocupar com a locomoção, os clientes que participarem da 1ª edição do Feirão de Porta a Porta poderão escolher entre as mais de 40 mil unidades nas mais de 65 cidades onde serão realizados os eventos. Além das facilidades do programa Minha Casa Minha Vida com subsídios de até R$47.500,00, a construtora oferecerá descontos exclusivos, isenções de taxas, documentação grátis, mensais a partir de R$299,00,  aprovação de credito na hora entre outras vantagens.

Segundo Rodrigo Resende, diretor de Marketing e Comunicação da MRV, o objetivo do feirão é descomplicar ainda mais o processo de compra do imóvel com descontos e facilidades na forma de pagamento. “A estratégia de levar o cliente ao plantão de vendas oferece mais comodidade, segurança e tranquilidade, além de reforçar nosso compromisso e preocupação com o bem-estar dos clientes”. O executivo ainda completa dizendo que no feirão o público encontrará empreendimentos com itens que unem sustentabilidade e inovação. “Muitos dos nossos empreendimentos serão entregues com placas fotovoltaicas para a geração de energia solar para atender as áreas comuns. Quem for ao feirão poderá adquirir unidades em condomínios com essa tecnologia, por exemplo”, completa Resende.  

Para saber mais informações e cada cidade onde o Feirão de Porta a Porta será realizado basta acessar mrv.com.br/feirao.

Tags, , ,